Cabo Verde: Autarquia do Sal almeja terminar mandato “em grande” com a conclusão do projecto Casa da Cultura

(Inforpress)

A Câmara Municipal do Sal quer terminar o mandato “em grande” com a conclusão do projecto «Casa da Cultura», devendo ser implantada mediante transformação do restaurante Scalabrod, situado na Praça Abílio Duarte, em Casa dos Artistas.

O vereador da Cultura, Ildo Rocha fez essas declarações à Inforpress numa perspectiva de 2016, e balanço geral das realizações culturais promovidas pela autarquia durante 2015.

Segundo o responsável camarário, a elevação dos principais pontos e edifícios culturais a património municipal, construção e recuperação de monumentos que traduzem a identidade salense, implementação de um programa cultural com o intuito de promover os artistas locais junto dos operadores turísticos e início de construção de uma casa de espectáculos de raiz, são os principais desafios para 2016.

“2016 será um ano curto por ser um ano de várias actividades de pendor político mas acredito que poderemos terminar o mandato em grande ao concluir o projecto Casa da Cultura”, almejou.

Ao fazer o balanço das actividades camarárias a nível da cultura, Ildo Rocha disse que é “bastante positivo”, sendo a taxa de realização acima de 95%, conforme assegurou.

“As actividades abarcaram todos os sectores da cultura. Assinalamos o crescimento em qualidade do carnaval, associação dos artesãos, surgimento de grupos de dança de excelente qualidade e novos artistas que vão conquistando seu espaço na cultura salense”, salientou.

Ildo Rocha fez questão de relembrar que o Pelouro da Cultura, em muitas actividades realizadas, aparece como promotor, financiando, incentivando e criando condições para implementação de várias actividades de iniciativa privada, acrescentando que 2015 veio a confirmar que o novo formato do Festival de Santa Maria foi uma aposta ganha, tornando-se num modelo de gestão para os outros festivais.

Apesar do espectro da crise, disse que 2015 foi um “ano bom”, estando a câmara – sempre que chamada -, presente, promovendo e apoiando a cultura.

“2015 foi um ano de celebração de grandes efemérides tais como os 80 anos da criação do município, 175 anos da morte da principal figura da ilha, Manoel António Martins e os 40 anos de independência de Cabo Verde. A cultura esteve presente nestas comemorações com um espectáculo memorável nas salinas de Pedra de Lume, com a orquestra nacional e concertos nos principais povoados da ilha com uma banda municipal portuguesa. Pela primeira vez, tivemos um palco do espectáculo 7 Sois, 7 Luas, perspectivando a integração da ilha na rota deste festival internacional”, referiu.

Manifestando que os principais objectivos foram alcançados, o responsável reiterou, todavia, que a criação da Casa da Cultura é uma meta que se vem perseguindo.

“Sendo uma infra-estrutura, ela não depende directamente do pelouro visto que implica investimento e construção.

Contudo, as bases estão criadas para o seu arranque no início deste ano”, explicou, destacando, por outro lado, o papel da Escola de Música e das Artes Tututa que pela primeira vez, disse, consegue abrir aulas de canto, tendo já um embrião para um futuro Orfeão Municipal e aulas de dança (ballet e danças contemporâneas), impulsionando o surgimento de grupos de dança, a criação da banda da escola que serve de suporte aos novos artistas.

“Do meu ponto de vista, 2015 foi o ano da cultura”, exprimiu, apontando, porém, que a organização dos grupos culturais tem sido, “sem dúvida”, o principal constrangimento.

“O Pelouro vem trabalhando junto dos agentes culturais no sentido de organizarem em associações de modo a defenderem melhor os seus interesses e possam estar representados no Concelho Municipal da Cultura. A ideia é criar, no futuro, o orçamento participativo e, desta forma, responsabilizando os actores sociais na elaboração e concretização dos planos municipais relacionados com a cultura”, concluiu desejando a todos um bom ano. (Inforpress)

SC/ZS

 

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA