Bispo Tocoista incentiva divulgação dos ideais da paz e unidade

Dom Afonso Nunes - Bispo da Igreja Tocoista (Foto: João_Gomes)

O Bispo da Igreja de Nosso senhor Jesus Cristo no Mundo, Afonso Nunes, incentivou hoje, domingo, aos féis, a terem coragem na divulgação dos ideias da paz e unidade.

O líder religioso fez este apelo na conferência de imprensa no final do culto especial de encerramento das Jornadas comemorativas da recordação e memória do profeta Simão Gonçalves Toco, iniciadas em Dezembro passado.

De acordo com o bispo, estas jornadas foram realizadas tendo em conta a dimensão histórica e espiritual do nacionalista que foi e será sempre um profeta africano.

Considerou que sempre foi a visão e vontade da Igreja de ver uma Angola unida e próspera, onde os angolanos saibam conversar, razão pela qual o tema do culto deste domingo se baseou no apelo a coragem na divulgação dos ideias da paz e unidade.

Afonso Nunes referiu que antes do encerramento das jornadas a igreja apela aos angolanos a terem uma atitude positiva perante a crise de valores que abala as famílias, a igreja e a sociedade em geral.

“O cristão deve ser corajoso para anunciar mensagens de paz e harmonia em momentos de crise”, ressaltou.

Questionado sobre os desafios da nova evangelização, o bispo Afonso Nunes considerou a diversidade de culturas como uma barreira nesta acção, pelo que advogou a necessidade de todos os angolanos trabalharem neste sentido com vista a ultrapassar todas as dificuldades entre o evangelho e a cultura.

“Angola é um país com muitas culturas e neste contexto os evangelistas e missionários têm de se adaptar a realidade de cada povo a fim de poderem se inserir e transmitir as boas novas a todas as nações”, disse.

Apelou aos crentes a entrar em espírito de oração para a unidade e reconciliação nacional.

O profeta Simão Gonçalves Toco nasceu a 24 de Fevereiro de 1918 na aldeia de Mbanza Zulumongo, município de Maquela do Zombo, província do Uíge, e morreu a 31 de Dezembro de 1983. (ANGOP)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA