Bié: INEFOP cria condições para arranque de mais um ciclo de formação profissional

Francisco Siku Tchivangulula - Director do INEFOP na província (Foto: Jilmar Enoque)

O director do Instituto Nacional do Emprego e Formação Profissional (INEFOP), no Bié, Francisco Siku Tchivangulula garantiu hoje (quarta-feira) na cidade do Cuito, que aquela instituição trabalha na criação de todas às condições para o arranque de mais um ciclo de formação profissional, com o início previsto para Março do ano em curso.

Em declarações à Angop, o responsável sublinhou que espera receber muitos jovens que queiram formar-se em diversas especialidades, nos centros profissionais do Cuito, Camacupa, Chinguar e Andulo, respectivamente.

As condições em causa, passam necessariamente a melhoria dos pavilhões de artes e ofícios, aquisição de kits profissionais, capacitação dos formadores, entre outros aspectos inerentes para assegurar a formação profissional da juventude, na circunscrição.

Asseverou ainda que em 2015, o INEFOP formou mil e seis jovens nos centros de artes e ofícios, nos municípios do Andulo, Camacupa, Cuito e Nhârea, mais 100 formandos em relação a mesma etapa passada.

Os jovens foram formados nos cursos de alvenaria, bate-chapa auto, canalização, carpintaria, corte e costura, culinária, pastelaria, decoração, electricidade de baixa tensão, electrónica, informática, mecânica-auto, pintura auto e serralharia.

Avaliou no entanto de positivo as actividades realizadas ao longo do ano passado, acrescentando que, apesar da situação financeira que o país atravessa, grande parte dos formandos tem vindo a conseguir os seus primeiros empregos, assim como fomentar o auto – emprego, no intuito de engrandecer a região e assegurar o bem-estar das suas famílias.

Têm vindo a encontrar mais abertura de empregos, os jovens formados nas áreas de carpintaria, mecânica, electricidade, construção civil, tendo defendido a necessidade das instituições privadas e públicas, continuarem a estabelecer uma parceria com aquela instituição de formação sócio-profissional, visando ajudar na redução do desempenho.

Desde o início do processo de formação profissional, em 1998, a instituição formou mais de seis mil jovens nas especialidades de informática, carpintaria, serralharia, alvenaria, contabilidade, culinária, mecânica-auto, electricidade, electrónica, canalização, entre outras áreas. (ANGOP)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA