Benguela: Aumento da produção de sal em 170 mil toneladas depende de mais investimentos

Salinas (Foto: Pedro Parente/Arq)

O director provincial das Pescas em Benguela, José Gomes da Silva, admitiu que o aumento dos níveis de produção de sal bruto no município da Baía Farta, que actualmente se situam entre 30 e 40 mil toneladas anuais, para 170 mil toneladas até ao ano de 2017, depende de grandes investimentos.

Em declarações à Angop, José Gomes da Silva disse que o plano do sector prevê uma produção de 170 mil toneladas até ao segundo semestre de 2017, mas alerta que essa meta só será possível se houver projectos com viabilidade financeira para o Sul da Baía Farta, onde estão instaladas as salinas.

Considerando insuficiente a actual produção de 30 a 40 mil toneladas, disse existir um projecto de abertura de salina nessa localidade, que terá capacidade de 50 mil toneladas/ano, o qual ainda aguarda por financiamento para sua efectiva implementação.

Acrescentou que há uma necessidade de incrementar a produção de sal em grande escala, através da abertura de mais salinas e da reabilitação e ampliação das já existentes na Baía Farta, para satisfazer as necessidades da população.

José Gomes da Silva salientou ainda que, outro objectivo do aumento da produção é reduzir paulatinamente a importação do sal, que tem sido feita para abastecer o mercado de consumo.

“O nosso plano era, até 2017,produzir 170 mil toneladas para satisfazer as necessidades da população”, reforçou o director, explicando que as dificuldades motivadas pela crise económica que o país atravessa representam um elevado constrangimento diante dessa projecção.

Segundo a fonte, outra dificuldade com que esse plano de incentivo à produção se deparou é a não conclusão dos projectos gizados pelo Ministério das Pescas, com vista à ampliação e conservação das salinas na Baía Farta.

Também confirmou que, a instituição tem recebido ultimamente vários pedidos de produtores interessados em investir na produção do sal a Sul da Baía Farta, onde está projectada “a cidade do sal”. (ANGOP)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA