Atentado junto ao palácio presidencial do Iémen faz pelo menos 7 mortos

Mais um atentado terrorista no Iémen Foto: SALEH AL-OBEIDI/AFP/Getty Images

Pelo menos 7 pessoas morreram esta quinta-feira num atentado junto ao palácio presidencial do Iémen e 15 ficaram feridas. O presidente e o primeiro-ministro estavam no palácio, mas escaparam ilesos.

Um carro armadilhado explodiu esta quinta-feira em frente ao palácio presidencial na cidade de Aden, no sul do Iémen, e provocou a morte a pelo menos sete pessoas, noticia a Alzeera. Entre os mortos estão soldados e outras 15 pessoas deverão ter ficado feridas na explosão, segundo declarações de Shalal Shaei, chefe da polícia local à estação de televisão.

O atentado foi reivindicado por uma filial do autoproclamado Estado Islâmico do Iraque e do Levante (ISIL) e vários membros do grupo postaram na rede social Twitter uma declaração onde identificavam Abu Hanifa al-Hollandi (um apelido que remete para uma possível origem holandesa), como o responsável do ataque. Esta a informação ainda não foi confirmada e a verdadeira identidade do atacante não é conhecida.

O presidente do Iémen, Abd-Rabbu Mansour Hadi, e o primeiro-ministro, Khaled Bahah, estavam dentro do palácio no momento da explosão, mas não foram atingidos pela bomba que deflagrou a cerca de um quilómetro do palácio presidencial, segundo informações dadas por funcionários aos meios de comunicação sob anonimato.O chefe de governo foi forçado a abandonar o poder em 2015 pelos rebeldes Houthi e abandonou Sana, a capital do país. Depois de passar vários meses no exílio, na Arábia Saudita, Hadi regressou ao Iémen mas decidiu passar a residir em Aden, uma cidade que tinha sido libertada dos rebeldes Houthis, refere o New York Times.

O governo iemenita, apoiado por uma coalição militar liderada pelos sauditas, tem tentado manter o controlo da cidade de Aden e outras zonas do sul do Iémen. A guerra e os sucessivos atentados continuam a devastar o país mais pobre do Médio Oriente que sofre, há muito tempo, de uma das mais altas taxas de desnutrição no mundo, referem as Nações Unidas. (Observador)

por Elsa Araújo Rodrigues

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA