Angola enfrenta crise de produção e não cambial, diz economista

Kwanza, moeda angolana (Foto: Angop)

O economista e empresário angolano Damião Paulo defende que desvalorização da moeda nacional, o kwanza, só vai terminar quando houver um aumento da produção nacional e não depender das importações.

Na sua óptica, o país não vive uma crise cambial, mas sim de produção o que leva “à depreciação da moeda nacional”.

Nesta semana, o dólar norte-americano ultrapassou a barreira dos 300 kwanzas nas ruas de Luanda, atingindo o dobro da taxa de câmbio oficial do país que é de 156 .

A nota de 100 dólares está a ser comprada a 35 mil kwanzas, sendo este o valor mais alto na venda de dólares no mercado informal.

O especialista defende a estabilidade do mercado cambial no país não será resolvida só com as vendas semanais de divisas pelo BNA aos bancos comerciais.

A tendência acentua-se com numa altura em que, por causa da crise económica, financeira e cambial, as casas de câmbio passaram a restringir a venda dólares e o envio de remessas para o estrangeiro por transferência bancária está ser feita com fortes restrições . (VOA)

DEIXE UMA RESPOSTA