Angola atribui à Sonangol área de 4.500 km quadrados para prospecção de petróleo e gás

(Foto: D.R.)

A concessão para prospecção é válida por cinco anos a que se juntam mais 25 anos para produção, logo que seja declarada a descoberta comercial de gás natural.

O Governo de Angola atribuiu à petrolífera pública Sonangol a concessão de prospeção e produção de petróleo e gás natural numa área de 4.594 quilómetros quadrados no ‘offshore’ angolano, segundo decreto presidencial consultado hoje pela Lusa.

A concessão, referente ao denominado bloco 18/06, de águas profundas, prolonga-se por cinco anos, para o período de prospeção, somando-se mais 25 anos, para produção, a contar da data da declaração da descoberta comercial de gás natural.

O decreto assinado pelo Presidente angolano, José Eduardo dos Santos, recorda que as áreas não demarcadas do bloco 18/06 – a norte de Luanda, entre as bacias do Kwanza e do Congo – “consideram-se libertas a favor do Estado”, findo o período de pesquisa, ao abrigo da Lei das Atividades Petrolíferas em Angola.

A Lusa noticiou na semana passada que a concessionária angolana já tinha ficado com os direitos para procurar e produzir gás natural em dois outros blocos ‘offshore’, numa área total de pesquisa superior a 540 quilómetros quadrados.

As reservas de petróleo em Angola estão avaliadas entre 3,5 mil milhões de barris (categoria de provada) e 10,8 mil milhões de barris (categoria de provável).

O país é o segundo produtor da África subsaariana, com cerca de 1,7 milhões de barris de crude diários. (jornaldenegocios)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA