Alemanha: Colónia regista ataques contra estrangeiros

(DPA)

Grupos agrediram imigrantes perto da estação central. Polícia investiga relação com agressões sexuais contra mulheres no réveillon. Maioria dos alemães teme aumento da criminalidade devido à imigração, diz sondagem.

A cidade de Colónia registou uma série de agressões contra estrangeiros na noite de domingo (10/01). Dois paquistaneses foram hospitalizados e um sírio teve ferimentos leves. A polícia investiga se os ataques são uma resposta de justiceiros aos crimes cometidos na noite de réveillon na cidade do oeste da Alemanha, quando dezenas de mulheres foram agredidas sexualmente por homens que, segundo policiais e testemunhas, tinham aparência norte-africana e árabe.

De acordo com o tabloide local Express, um grupo composto por membros de clubes de motoqueiros, hooligans e seguranças de casas nocturnas teria marcado pelo Facebook uma “caçada” contra estrangeiros no centro de Colónia.

O primeiro incidente ocorreu por volta das 18h40 (horário local). De acordo com a polícia, um grupo de cerca de 20 pessoas atacou seis paquistaneses nos arredores da estação central de Colónia. Cerca de 20 minutos depois, cinco homens agrediram um cidadão sírio de 39 anos na mesma região.

No sábado, a polícia de Colónia dispersou uma passeata de hooligans e extremistas de direita, que protestavam contra as agressões ocorridas no réveillon. As forças de segurança foram atacadas pelos cerca de 1.700 manifestantes com garrafas, fogos de artifício e pedras. A polícia respondeu com canhões de água e bombas de gás lacrimogéneo e deteve 15 pessoas.

População se sente insegura

De acordo com um levantamento do Instituto Forsa para a rede de televisão RTL, mais da metade dos mil entrevistados (57%) afirmou temer que a criminalidade aumente na Alemanha com a chegada dos refugiados, enquanto 40% não compartilham esta preocupação.

Os acontecimentos do réveillon em Colónia não mudaram a opinião de 60% dos alemães sobre os estrangeiros. Mas 37% dos entrevistados afirmaram ter uma opinião mais crítica sobre os imigrantes após as agressões do Ano Novo.

Conforme a mesma sondagem, 59% das mulheres continuam se sentindo seguras, mesmo depois dos casos de abuso, e 28% até mesmo “muito seguras”, enquanto 11% se sentem menos seguras e 3% “nada seguras”. (DW)

MD/dpa/epd

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA