Abertura dos mercados: Bolsas europeias e petróleo em queda. Euro em alta

(Bloomberg)

As principais praças europeias arrancaram a sessão em alta, mas rapidamente inverteram a tendência, seguindo em queda. O petróleo está também a descer nos mercados internacionais.

Os mercados em números

PSI-20 desce 0,54% para 4.807,52 pontos

Stoxx 600 desliza 0,20% para 337,70 pontos

Nikkei somou 0,90% para 17.110,91 pontos

Juros da dívida portuguesa a dez anos cedem 0,7 pontos base para 3,028%

Euro soma 0,28% para 1,0827 dólares

Petróleo em Londres cai 2,49% para 31,38 dólares o barril

Bolsas europeias em alta

O mercado português recua 0,42% após um início de dia positivo animado pela forte subida do Banco Comercial Português. O PSI-20 segue agora em queda penalizado pela Galp Energia e pela Jerónimo Martins. Os títulos da banca continuam em terreno positivo, com o BCP a subir 1,60% para 3,81 cêntimos e o BPI a valorizar 1,52% para 1,005 euros.

Os mercados europeus negoceiam mistos, com o DAX e o FTSE em alta e o AEX e o CAC40 em queda, após um arranque positivo animados pela perspectiva de mais estímulos económicos.

Juros da dívida
Os juros da dívida pública portuguesa estão a cair no mercado secundário. A dez anos, o prazo considerado de referência, as “yields” cedem 0,7 pontos base para os 3,028%. As subidas recentes do juros portugueses têm sido justificadas pelas alterações feitas pelo IGCP às linhas de obrigações que são consideradas como referência para cada maturidade. Sem esse efeito, os juros estariam a recuar. Esta manhã, os juros da dívida alemã estão também a cair 0,7 pontos base a dez anos para 0,476%.

Euro soma

O euro está a ganhar terreno face ao dólar, aliviando assim das perdas recentes. A moeda da Zona Euro esteve a ser penalizada pela possibilidade do Banco Central Europeu introduzir mais estímulos monetários já em Março. Mario Draghi admitiu que os riscos negativos sobre o crescimento e a inflação da Zona Euro aumentaram, levando as equipas técnicas do BCE a preparar um possível reforço dos estímulos, em Março. O euro soma 0,28% para 1,0827 dólares.

Petróleo em queda
O petróleo disparou no final da semana passada, mas está a arrancar esta com sinal negativo. Há uma correcção nos mercados depois dos preços terem subido mais de 20%, recuperando dos mínimos de 12 anos. Mesmo com esta descida, o barril continua a custar mais de 30 dólares tanto em Londres como em Nova Iorque.

O Brent, negociado no mercado londrino, segue a desvalorizar 2,49% para os 31,38 dólares, ao mesmo tempo que o West Texas Intermediate (WTI), nos EUA, está a descer 2,02% para cotar nos 31,52 dólares. Uma descida ligeira face ao desempenho registado pelas cotações da matéria-prima nas últimas sessões.

Os preços estão a corrigir da forte subida registada no final da semana passada, altura em que tanto o Brent como o WTI subiram cerca 10%. Já na sessão anterior, com Mario Draghi, presidente do Banco Central Europeu (BCE), a assumir que a instituição poderá avançar com mais estímulos monetários já em Março, as cotações dispararam.

Ouro soma

A cotação do ouro está a subir nos mercados internacionais. Depois de ter saído do mercado de acções 15 biliões de dólares desde Maio, segundo a Bloomberg, o apetite dos investidores por activos considerados de refúgio estará a regressar. O ouro, para entrega imediata, soma 0,58% para 1.104,34 dólares por onça.

Destaques do dia

Fidelity: acabou a época do dinheiro fácil. A gestora continua a identificar nas acções dos mercados desenvolvidos as melhores oportunidades de investimento, sobretudo após a forte correcção registada nas bolsas mundiais nas primeiras semanas do ano.

Bancos aumentam até 18% a comissão da prestação da casa. As mensalidades do crédito à habitação têm vindo a diminuir, atingindo mínimos históricos. Mas pagar a prestação é cada vez mais caro. Isto porque a comissão de processamento está a aumentar. Chegou a crescer 18% no último ano.

Segurança Social baixa para salários base e trabalhadores do privado. O desconto na taxa social única para quem ganhe até 600 euros só se aplica sobre o salário base e trabalhadores por conta de outrem, do sector privado.

Dívida do Novo Banco gera perdas de 18 milhões no BIC. O BIC Português perdeu cerca de 18 milhões com a exposição a dívida sénior do Novo Banco que regressou ao BES. Perdas terão levado banco de Isabel dos Santos a ter prejuízos em 2015.

Marcelo Rebelo de Sousa ganha em todo o país mas leva poucos votos. Marcelo Rebelo de Sousa conseguiu a proeza de ser o mais votado em todos os distritos do país, mas fica na história como o presidente eleito com menos votos numa primeira eleição. No final, a mensagem foi de unidade e promessa de diálogo.

O que vai acontecer esta segunda-feira

BCE. Mario Draghi, presidente do Banco Central Europeu, discursa em Eschborn, Alemanha. O responsável deverá reunir o foco dos investidores, após ter indicado, na quinta-feira, 21 de Janeiro, que a instituição monetária pode aprovar mais estímulos em Março. (Jornal de Negocios)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA