Abertura dos mercados: Bolsas em alta com subida das exportações chinesas e recuperação do petróleo

Investidores reagem com alguma apreensão ao resultados das eleições na Grécia no início da sessão (REUTERS)

As bolsas europeias estão a valorizar mais de 1%, depois de ter sido divulgado que as exportações chinesas aumentaram em Dezembro. A contribuir para o optimismo está também a recuperação do petróleo.

Os mercados em números

PSI-20 sobe 1,6% para 5.216,65 pontos

Stoxx 600 ganha 1,14% para 347,13 pontos

Nikkei valorizou 2,88% para 17.715,63 pontos

Juros da dívida portuguesa a dez anos descem 0,2 pontos base para 2,696%

Euro recua 0,39% para 1,0816 dólares

Petróleo em Londres sobe 1,75% para 31,40 dólares o barril

Bolsas europeias em alta com subida do petróleo e exportações da China

As bolsas europeias estão a negociar em alta esta quarta-feira, 13 de Janeiro, depois de ter sido divulgado que as exportações chinesas cresceram 2,3% em Dezembro, aliviando os receios em torno da segunda maior economia do mundo.

O índice de referência para a Europa, o Stoxx600, ganha 1,14% para 347,13 pontos. A contribuir para as subidas está também o petróleo, que ganha terreno esta quarta-feira, depois de ter atingido ontem novos mínimos.

Na bolsa nacional, a Jerónimo Martins e a Galp Energia são as cotadas que mais contribuem para os ganhos do PSI-20. A retalhista sobe 2,99% para 12,935 euros enquanto a Galp avança 2,10% para 9,576 euros.

Juros sem tendência definida

Os juros da dívida dos países europeus seguem sem tendência definida esta quarta-feira. Em Portugal, a “yield” associada às obrigações a dez anos desce 0,2 pontos base para 2,696%, enquanto em Espanha, no mesmo prazo, sobem 0,3 pontos para 1,836%.

Euro cai pela quarta sessão. Yuan sobe

A moeda única europeia está a desvalorizar face ao dólar pela quarta sessão consecutiva. Desce 0,39% para 1,0816 dólares.

O yuan offshore, por seu turno, subiu 0,13% para 6,5752 por dólar, elevando para 2,1% a valorização dos últimos cinco dias – a maior desde que há registos. Isto numa altura em que as autoridades chinesas estão a intensificar os esforços para garantir a estabilidade da sua moeda. Já o yuan onshore caiu 0,06% para 6,5793.

Petróleo recupera de mínimos

A matéria-prima está a negociar em alta nos mercados internacionais, esta quarta-feira, depois de ter atingido novos mínimos de mais de uma década na sessão de ontem.

O West Texas Intermediate (WTI), negociado em Nova Iorque, sobe 1,87% para 31,01 dólares, enquanto o Brent, transaccionado em Londres, ganha 1,75% para 31,40 dólares.

Esta quarta-feira, a Administração de Informação de Energia vai divulgar os dados sobre as reservas de crude nos Estados Unidos, e a expectativa é que tenham subido na semana passada. Isto numa altura em que o excesso de oferta no mercado tem contribuído para a forte descida dos preços do petróleo.

Destaques do dia

Crise na China: Está na hora de vender ou é altura de comprar? A China veio abalar as bolsas mundiais. Colocou os investidores em alerta, ditando fortes quedas. A dúvida é se já foram longe demais, ou ainda agora começaram? As opiniões dividem-se. Uma coisa é certa: a volatilidade vai continuar a dominar os mercados.

Os desafios do novo líder da Impresa. A pressão dos operadores de telecomunicações, a futura batalha da TDT e a redução da dívida são alguns dos desafios de Francisco Pedro Balsemão, futuro presidente executivo da Impresa.

Taxa nos EUA: Portucel apoiada por Governo e Comissão Europeia. O Departamento de Comércio dos EUA reduziu de 29,53% para 7,8% a taxa anti-dumping aplicada às vendas da Portucel. O grupo português promete utilizar todos os meios disponíveis para provar que a medida é injustificada.

Vendas da Jerónimo Martins crescem 8,3% em 2015. A companhia de distribuição dona da Biedronka, Pingo Doce e Recheio realizou vendas de 13,72 mil milhões de euros no exercício de 2015, anunciou esta terça-feira.

Lei europeia dá cobertura ao Banco de Portugal no Novo Banco. A decisão do Banco de Portugal de reenviar para o BES dívida que estava no Novo Banco, que os afectados acusam de discriminatória, está enquadrada pela directiva europeia. Lei permite afectar a igualdade de tratamento de credores nalguns casos.

Grupo une particulares com 5 milhões em dívida do Novo Banco. Ainda não há dados oficiais. O movimento de particulares está a organizar-se para recorrer aos tribunais e já une investidores com 5 milhões de euros em dívida sénior do Novo Banco. Dificuldades com o nome ainda não permitiram criar associação.

Banif alertou para risco de perdas totais a um ano da resolução. O Banif alertou os investidores para o risco de perderem as aplicações em dívida subordinada do banco mais de um ano antes da resolução. Aviso constava do prospecto que serviu de base à última emissão de títulos da instituição.

O que vai acontecer hoje

China. Balança comercial, em Dezembro.

Zona Euro. Produção industrial, em Novembro.

INE. Índice de Preços no Consumidor, em Dezembro.

Reserva Federal. Publicação do Livro Bege. (Jornal de Negocios)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA