Abertura dos mercados: Bolsas e euro em alta, petróleo em Londres a negociar nos 27 dólares

(Bloomberg)

As bolsas europeias abriram em alta esta manhã, com o PSI-20 a acompanhar esta tendência, impulsionado pelo BCP e pela Galp. O Brent de Londres volta a negociar nos 27 dólares por barril. Já o euro valoriza face ao dólar.

Os mercados em números

PSI-20 soma 1,11% para 4.609,49 pontos

Stoxx 600 ganha 0,66% para 324,42 pontos

Nikkei desvalorizou 2,43% para 16.017,26 pontos

Juros da dívida portuguesa a dez anos sobem 24,3 pontos base para 3,169%

Euro sobe 0,06% para 1,0897 dólares

Petróleo em Londres desce 0,07% para 27,86 dólares o barril

Bolsas europeias abrem em alta ligeira

As bolsa europeias abriram esta quinta-feira em alta ligeira, com o Stoxx 600 a valorizar 0,66% para 324,42 pontos. O PSI-20, principal índice da bolsa nacional, segue esta tendência positiva – depois de ter terminado a sessão de ontem em terreno negativo – e segue a valorizar 1,11% para 4.609,49 pontos.

Com 13 cotadas em alta, três em queda e uma inalterada, a bolsa nacional segue impulsionada pelo BCP e pela Galp.

Juros sobem na Europa

Os juros da dívida soberana a 10 anos sobem 24,3 pontos base para 3,169%, em linha com a tendência verificada em Espanha, onde sobem 2,6 pontos base para 1,811%. O mesmo acontece na Alemanha, onde a “yield” avança 1,7 pontos base para 0,499%.

Euro avança face ao dólar

A moeda única europeia segue a valorizar face à moeda norte-americana, somando 0,06% para 1,0897 dólares.

O euro, tal como o ouro, beneficia de ser um activo de refúgio face à turbulência dos mercados. Escreve a Bloomberg que, todavia, isto não vai cair bem ao Banco Central Europeu, que beneficia em ter uma moeda mais fraca para impulsionar a inflação e o crescimento económico.

Petróleo volta a negociar nos 27 dólares por barril

A matéria-prima segue em terreno negativo, com o Brent de Londres, preço de referência para a Europa, a cair 0,07% para 27,86 dólares por barril. Já o West Texas Intermediate (WTI), negociado em Nova Iorque, recua 0,07% para 28,33 dólares.

A pressionar os preços do petróleo está o persistente excesso de oferta no mercado e os receios do impacto da produção iraniana. “Tem da haver uma interrupção na oferta para que os preços estabilizem”, diz Michael McCarthy, analista da CMC Markets. “Há um excesso de oferta, e se o Irão pode aumentar ad exportações em 500 mil barris por dia, é muito difícil ver uma recuperação sustentada do petróleo”, acrescentou.

Ouro recua ligeiramente

A matéria-prima segue a cair 0,08% para os 1.100,00 dólares a onça. O recuo é ligeiro, com o ouro a beneficiar do facto de ser um activo de refúgio, numa altura em que os investidores seguem receosos quando ao desempenho económico chinês e quanto à queda dos preços das “commodities”.

“Neste momento, há alguma aversão ao risco nos mercados dado o que se está a passar, seja o abrandamento chinês, seja os baixos preços do petróleo”, diz Barnabas Gan, economista citado pela Bloomberg. “Os mercados estão realmente a negociar com base no medo”, concluiu.

Destaques do dia

Injecções de liquidez na China não seguram acções. Bolsas asiáticas voltam a cair. As bolsas asiáticas continuam a registar quedas. China e Japão voltaram a cair, mesmo com injecção de liquidez por parte do banco central chinês.

Fisco vai ficar a saber quanto tem no banco. O Governo quer aproveitar a transposição da directiva sobre troca automática de informações para obrigar os bancos a darem ao Fisco mais dados sobre as aplicações financeiras dos seus clientes, residentes em Portugal. Autorização legislativa consta do Orçamento.

Bruxelas e Lisboa preparam cedências no Orçamento. Comissão Europeia e Governo de António Costa procuram consenso sobre esforço de consolidação orçamental para o próximo ano. Bruxelas pode aceitar alívio das exigências para metade, obrigando o Executivo a reforçar controlo do défice.

Bolsa de Lisboa perde um milhão por minuto. O mês ainda não terminou, mas prepara-se para ser o pior desde Outubro de 2008 na bolsa de Lisboa. Na Europa, só a praça de Atenas cai mais. Desde o início do ano, o valor do mercado nacional já “encolheu” em 7,13 mil milhões de euros.

Os ursos vieram para ficar nas bolsas mundiais? . As cotações do petróleo e as acções mundiais estão a afundar. Enquanto o crude testa novos mínimos de 12 anos, as bolsas estão a pagar a factura dos receios em torno da economia da China. O ouro está a ser beneficiado.

O que vai acontecer hoje

Reunião do BCE. Conclusão da reunião de política monetária do Banco Central Europeu, com a divulgação da decisão acerca das taxas de juro.

Davos. Prossegue o Fórum Económico Mundial, que decorre até 23 de Janeiro, no qual participam nomes de relevo no panorama político e empresarial de todo o mundo.

Boletim Estatístico. O Banco de Portugal publica o Boletim Estatístico.

Confiança na Zona Euro. O Eurostat publica o índice de confiança dos investidores, relativo a Janeiro.

Desemprego nos EUA. Os EUA publicam os dados semanais dos subsídios de desemprego (novos e continuados). (Jornal de Negocios)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA