União Africana autoriza envio de missão ao Burundi

(AFP)

A União Africana (UA) anunciou o envio de uma missão de 5.000 homens ao Burundi para tentar acabar com a onda de violência no país, mesmo sem a aprovação de Bujumbura.

O Conselho de Paz e Segurança (CPS) da UA, reunido na sexta-feira em Adis Abeba, decidiu “autorizar o envio de uma Missão Africana de Prevenção e Protecção no Burundi (Maprobu) para um período inicial de seis meses”, com possibilidade de renovação.

A UA deu prazo de quatro dias ao governo do Burundi para aceitar e cooperar com a missão.

O conselho advertiu que se o Burundi for contrário ao envio da missão, a UA adoptará “medidas adicionais” para garantir o deslocamento.

É pouco provável que o governo do Burundi, que sempre critica a interferência da comunidade internacional na gestão da crise política dos últimos meses, aceite uma missão militar em seu território.

Mas o CPS ressaltou a “determinação para adoptar todas as medidas apropriadas contra todos os actores ou partes, independente de quem sejam, que impeçam a execução da decisão”.

Em um primeiro momento, a missão contará com 5.000 homens, soldados e policiais, e um componente civil. A Maprobu se unirá aos observadores dos direitos humanos e especialistas militares já presentes no Burundi, segundo o CPS.

O Burundi enfrenta uma grave crise desde o anúncio em Abril da candidatura do presidente Pierre Nkurunziza a um terceiro mandato, considerada por parte da população inconstitucional e contrária ao Acordo de Arusha que acabou com a guerra civil (1993-2006).

O governo não aceita um diálogo fora do país, como exigem os opositores, que actualmente estão em sua maioria no exílio. (AFP)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA