STeP in Londres marcou o ano em São Tomé e Príncipe

Patrice Trovoada, primeiro-ministro são-tomense na Conferência STeP IN em Londres (facebook.com/patrice.trovoada.oficial)

Step in London, a conferência de investidores e parceiros de desenvolvimento de São Tomé e Príncipe, foi o acontecimento que mais marcou o ano de 2015 nas ilhas do Falcão e Papagaio. Foram mais de 40 países e instituições que estiveram reunidos em Inglaterra à mesma mesa com o governo que propôs a mobilização de mais de 400 milhões de dólares para investimentos diversos.

Uma conferência que serviu para mudar o paradigma dos investimentos privados em São Tomé e Príncipe. Os investimentos mais estruturantes incluem a construção do porto de águas profundas no norte da ilha de São Tomé, cujas obras iniciarão em 2016, e a ampliação e modernização do aeroporto internacional de São Tomé e Príncipe.

40 anos de independência e luz eléctrica

O ano de 2015 foi o reflectir do que se fez ao longo dos últimos anos e o repensar do pais para a próxima década, sendo o crescimento económico o grande o desafio. Foi também em 2015 que muitas comunidades de São Tome e Príncipe, que estavam durante muitos anos às escuras, conseguiram beneficiar de luz eléctrica. Um projecto que nasceu no âmbito das actividades de redução da pobreza desenvolvidas pelo executivo santomense. Esta acção do executivo beneficiou centenas de santomenses sobretudo do meio rural.

Ilha do Príncipe com maior visibilidade e modernidade

Em 2015 a ilha do Príncipe passou a estar no centro das atenções com ampliação da pista do aeroporto. Uma ampliação que se traduz em mil oitocentos metros, permitindo a aterragem de aeronaves de médio porte e que permitiu impulsionar a ilha que é património mundial da biosfera. Uma obra que se destina à atracção de mais investimentos, turistas e de se abrir cada vez mais ao mundo. Este ano fica igualmente marcado com a decisão do executivo isentar vistos por um período de quinze dias aos cidadãos da CPLP, Estados Unidos da América, Canada e União Europeia.

Nacionalidade para os cidadãos CPLP

Foi ainda em 2015 que os cidadãos da CPLP, na maioria cabo-verdianos, que residiam em São Tomé e Príncipe desde a independência, obtiveram a nacionalidade santomense. Uma decisão do governo aplaudida pela comunidade internacional. (RFI)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA