Referendo constitucional em Bangui é marcado por violência

Civis tentam se esconder de tiros em Bangui (Foto de Marco Longari/AFP)

Tiros de armamento pesado foram registados no bairro muçulmano de PK5 em Bangui, capital da República Centro-Africana, onde se enfrentam partidário e opositores do referendo constitucional, constatou uma jornalista da AFP.

Os disparos de metralhadora e lança-foguetes ocorreram perto da escola Baya Dombia, na qual vários eleitores faziam fila para votar, enquanto nos arredores soldados senegaleses da missão da ONU na RCA (Minusca) respondiam para proteger os eleitores.

Seis pessoas ficaram feridas, segundo um funcionário da Cruz Vermelha.

A participação no referendo deste domingo, que deve permitir a adopção de uma nova Constituição, mas também serve de teste para a organização das eleições presidenciais e legislativas previstas para 27 de Dezembro, divide os muçulmanos da ex-rebelião Seleka, onde algumas facções rejeitam essa participação.

Mas outros desejam votar. Assim, várias dezenas de pessoas protestaram na parte da manhã em frente à sede da Minusca em Bangui, sob o lema “queremos votar”.

Os manifestantes exibiam exemplares da Constituição e escreveram grandes “sim” com tinta nas calçadas da avenida Boganda, perto do PK5.

A participação neste processo eleitoral imposto pela comunidade internacional também divide as milícias antibalaka, opositores que estão entre os partidários do ex-presidente François Bozizé, cuja candidatura à presidência foi rejeitada pelo Tribunal Constitucional.

Tiroteios e explosões de granadas também eram ouvidos em Gobongo, reduto das milícias cristãs antibalaka na capital, segundo uma fonte da segurança, que evocou três feridos. (AFP)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA