OPEP: As consequências da elevada produção de petróleo (vídeo)

(EURONEWS)

Esta semana, em Business Middle East, vamos analisar os resultados da reunião da OPEP e, em Business Snapshot, o Ministro da Energia dos Emirados Árabes Unidos diz à euronews que a crise está a gerar novas oportunidades. Segundo os analistas é evidente que a OPEP quer colocar mais pressão sobre os produtores de óleo de xisto no mercado. Apesar das diferentes opiniões, os países da OPEP decidiram manter a sua quota de mercado. Com a oferta de petróleo num nível recorde a especulação indica que a guerra dos preços se pode intensificar.

Apesar das intensas discussões, na passada sexta-feira, os membros da OPEP optaram por manter a produção de petróleo elevada. A OPEP vai continuar a retirar mais de 31,5 milhões de barris por dia, o que vai colocar mais pressão na descida dos preços. A euronews perguntou ao ministro saudita do petróleo, Ali al Naimi, se existem planos para estabilizar o mercado juntamente com a Rússia: “Demonstramos a nossa disposição de trabalhar em conjunto com quem quiser estabilizar o mercado”.

No entanto, os sauditas e seus aliados do Golfo têm-se mantido fiéis à defesa da quota de mercado – na esperança de que os preços mais baixos possam empurrar as empresas que praticam valores mais elevados, como as empresas americanas de xisto, para fora do mercado. As previsões apontam para uma nova reunião da OPEP antes de Junho de 2016, no caso dos preços do petróleo descerem mais.

Daleen Hassan, euronews: “Para tentar explicar os resultados da reunião da OPEP junta-se a nós, a partir de Abu Dhabi, Nour Eldeen AL Hammoury estratega de mercado da ADS Securities. Houve grande controvérsia última sexta-feira, na reunião da OPEP, com uma elevada produção de petróleo novamente, como interpreta os resultados da reunião?

Nour AL Hammoury: “Manter o teto de produção não é algo muito importante para os mercados, para a OPEP, ou até mesmo para os preços do petróleo. Isso acontece porque os membros da OPEP já estavam a exceder o teto anterior de 30 milhões de barris por dia, desde o início o início do ano. Para além disso, eles produziram mais de 32,4 milhões de barris por dia, em junho. Assim sendo, os membros da OPEP já estão a produzir mais do que o teto permitido. Portanto, o aumento do limite é apenas uma decisão técnica e não significa que a produção tenha realmente aumentado. Se aumentassem o teto acima dos 32 milhões de barris por dia, isso sim seria um ponto de viragem”.

euronews: Quais são os níveis a observar de perto agora no que toca ao preço do petróleo e qual a sua previsão para o mercado de petróleo e para as empresas?

Nour Al Hammoury: “Começando com o preço do petróleo bruto West Texas: os negociantes devem fixar-se nos 40 dólares, o que continua a ser uma referência sólida e não assistimos a nenhum valor semanal abaixo disso. No entanto se esse valor for quebrado pode haver inconvenientes. Quanto ao Brent, o valor de 42,2 dólares também é um nível de referência bastante significativo. Como assistimos no início do ano, abaixo desse nível pode haver uma maior pressão na descida. No entanto, podem haver alguns sinais de estabilização, como os que vimos em agosto deste ano.
Um dólar em declínio devido a um pequeno aumento da taxa de juro, em dezembro, pode dar alguma estabilidade dos preços. Nos próximos meses, como o excesso de oferta continua o mesmo, com uma economia global mais lenta e sem intenções de cortes na produção, por parte da OPEP e os não membros da OPEP, poderemos assistir a uma nova ronda de aquisições e fusões entre pequenas e grandes empresas de petróleo, incluindo as empresas de petróleo e de gás de xisto, já que preços do petróleo mais baixos afetam os rendimentos.”

Os Emirados Árabes Unidos são pioneiros na região do Golfo relativamente à diversificação da economia. Há anos, começaram a trabalhar em várias estratégias para utilizar energia verde e reduzir a dependência das receitas vindas do petróleo. Conversamos com Ministro da Energia dos Emirados Árabes Suhil AL Mazroui, numa entrevista exclusiva depois da reunião da OPEP, em Viena. Vamos ver os pontos fundamentais em Business Snapshot.

O ministro da energia dos Emirados Árabes Unidos acredita que a política da OPEP de manter a produção elevada é adequada, mesmo que o preço seja baixo. Para ele isso representa uma oportunidade para diversificar a economia.

Ministro da Energia dos Emirados Árabes Suhil AL Mazroui:“Cortar a produção tendo em vista um determinado preço já não é uma política de sucesso. Esta é uma oportunidade para reduzir o custo e construir economias diversificadas e acabar com a dependência do petróleo. Temos de tirar partido da crise, para nós representa oportunidades.”

euronews: “Com “crise” quer dizer preços do petróleo mais baixos?

Suhail Al Mazroui: “A crise económica e os baixos preços do petróleo.”

euronews: “Menor procura?”

Suhail Al Mazroui: “Sim, a procura mais baixa em 2015”.

euronews: Também falou sobre a diversificação das fontes de energia e da importância da energia verde nos Emirados Árabes Unidos…

“Atualmente, os Emirados adotaram uma política diferente. Em 2021, cerca de 30% da energia será proveniente de fontes ecológicas, que não emitem dióxido de carbono, da energia nuclear ou da energia solar renovável”, conclui Suhil AL Mazroui. (EURONEWS)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA