Obama celebra acordo “forte” que marca ponto de inflexão em crise climática

(AFP)

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, celebrou neste sábado a adopção de um acordo “forte” em Paris, que possivelmente marcará um “ponto de inflexão” na luta contra o aquecimento global.

“O acordo de Paris não resolve o problema, mas estabelece o marco sustentável que o mundo necessita para resolver a crise climática”, disse Obama na Casa Branca.

“Cria o mecanismo e a arquitectura para enfrentar este desafio de maneira eficaz”, acrescentou.

“Além disso, este acordo é um sinal forte para dizer que o mundo está decididamente inclinado para um futuro com baixo carbono”, disse. E considerou que isso deveria estimular os investimentos e a inovação nas energias limpas “a um ritmo sem precedentes”.

Neste sábado em Paris 195 países aprovaram um histórico acordo mundial contra o aquecimento global, que une pela primeira vez nessa luta países ricos e em desenvolvimento.

“Estou convencido de que este momento pode marcar um ponto de inflexão para o mundo”, expressou o presidente norte-americano, que admitiu que o caminho não será fácil.

Obama lembrou que a crise climática foi uma de suas prioridades desde que chegou ao governo em 2009 e estimou que seu país é “líder” na luta contra o aquecimento global.

Também agradeceu aos países “grandes ou pequenos, desenvolvidos ou em desenvolvimento, por terem trabalhado juntos para enfrentar uma ameaça que diz respeito a todos”.

“Juntos, mostramos o que é possível fazer quando o mundo está unido”, concluiu Obama.

O Acordo de Paris substituirá a partir de 2020 ao actual Protocolo de Kyoto.

O texto, de 31 páginas em inglês, vincula o destino das grandes potências emissoras de gases de efeito estufa, como Estados Unidos e China, ao das pequenas ilhas do Pacífico ameaçadas pelo aumento do nível dos oceanos.

Os países industrializados, responsáveis históricos do problema, deverão ajudar financeiramente os países em desenvolvimento. (AFP)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA