Natal em Belém com menos peregrinos

(REUTERS/Mohamad Torokman)

As lojas vazias, os hotéis desertos, os comerciantes e os guias turísticos partilham opiniões quando dizem que este é o pior Natal que já viram em Belém. Algumas festas foram canceladas, mas os eventos religiosos vão manter-se, nomeadamente, a Missa do Galo celebrada à meia-noite no berço do cristianismo, segundo a tradição bíblica.

Hoje um palestiniano foi morto em confrontos com o exército israelita no campo de refugiados de Qalandia, entre Ramalah e Jerusalém, e três outros palestinianos foram abatidos quando tentavam atacar guardas e soldados israelitas.

A nova onda de violência em Israel e nos territórios palestinianos matou, desde Outubro, 125 palestinianos – a maioria quando cometiam ou tentavam cometer ataques com armas brancas, com veículos ou com armas de fogo. Nestes confrontos 19 israelitas, um americano e um cidadão da Eritreia morreram, segundo um balanço da agência noticiosas France-Presse.

O jornal do Vaticano “Oservatore Romano” indica que, pela primeira vez desde o século XVI, os aniversários de Cristo e Maomé coincidem – os fundadores das ultimas religiões monoteístas nasceram no mesmo dia 24 de Dezembro.

Na Basílica da Natividade em Belém, na Cisjordânia ocupada onde segundo a tradição cristã Cristo nasceu, celebra-se hoje à meia-noite a Missa do Galo na presença do Presidente da autoridade palestiniana Mahmud Abbas.

Embora as festas tenham sido canceladas, os eventos religiosos vão manter-se em Belém, o berço do cristianismo, segundo a tradição bíblica.

O jornalista português Henrique Cymerman descreve Belém com menos peregrinos e muito mais sombria em comparação com os anos anterior. (RFI)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA