Huambo: Instituto de Desenvolvimento Florestal precisa de 11 novos fiscais

Andrade Moreira Bahu - Responsável do IDF no Huambo (Foto: Edilson Domingos)

Onze novos fiscais são necessários para o Instituto de Desenvolvimento Florestal (IDF) na província do Huambo, no sentido de reforçarem as equipas de inspecção dos perímetros florestais da região.

A preocupação foi manifestada, terça-feira, à Angop, pelo responsável do IDF no Huambo, Andrade Bahu, tendo precisado que, neste momento, o sector possui apenas oito fiscais, cifra insuficiente para controlar as florestas dos 11 municípios da província.

Esta situação, admitiu, torna o serviço de fiscalização precário, já que é feito de forma alternada, facilitando a actividade dos madeireiros e outros indivíduos que praticam corte de árvores ilegal.

Ainda para se reforçar a actividade de fiscalização, Andrade Bahu disse ser necessário também mais duas viaturas, para a deslocação dos funcionários, uma vez contam apenas com uma.

Apesar destas dificuldades, ressaltou, o IDF aplicou este ano 17 multas por exploração ilegal de recursos florestais, tendo sido pagas 12, que resultaram na arrecadação de seis milhões, 176 mil e 103 kwanzas.

O Instituto de Desenvolvimento Florestal além controlar as florestas abertas ou naturais, existentes em todo território da província, fiscaliza também os perímetros florestais artificiais dos sectores da Indústria, caminhos-de-ferro e Agricultura.

Repovoar e reforçar a fiscalização destes locais são as prioridades do IDF para os próximos anos. (ANGOP)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA