Guiné-Bissau: Crise aberta no PAIGC

A presidência de Domingos Simões Pereira é contestada por sectores do PAIGC (RFI)

O debate político entre dirigentes do PAIGC, principal partido no Parlamento da Guiné-Bissau, aquece a cada dia que passa. Dirigentes que contestam a atual direcção, deram a Domingos Simões Pereira, 24 horas para abandonar o partido.

O grupo, composto pelos deputados que rejeitaram recentemente o Programa do Governo apresentado pelo partido no Parlamento, prometem avançar para o pedido de um congresso extraordinário caso Domingos Simões Pereira não sair da presidência do PAIGC.

Os contestários ao líder do PAIGC deram esta segunda-feira uma conferência de imprensa, na qual José Saico Baldé, que se expressava em crioulo, falou em nome do grupo.

Acusam Domingos Simões Pereira, entre outros alegados crimes, de nepotismo, corrupção, enriquecimento ilícito e desrespeito aos estatutos do PAIGC.

O grupo pede ao Presidente guineense, José Mário Vaz para demitir o atual Governo se no dia 05 de Janeiro, o primeiro-ministro, Carlos Correia, não apresentar ao Parlamento o seu programa de acção. (RFI)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA