EUA denunciam “provocação” do Irão em testes de mísseis

Um dos mísseis teria caído a 1.500 metros do porta-aviões USS Harry S. Truman (DPA)

Americanos denunciaram que navios de guerra iranianos lançaram mísseis no Estreito de Hormuz, perto de um porta-aviões e outras embarcações da coligação internacional que combate o “Estado Islâmico”.

Navios de guerra iranianos realizaram testes de mísseis próximos a porta-aviões e outras embarcações militares da coligação internacional, que dão apoio aos ataques aéreos contra o “Estado Islâmico” na Síria e no Iraque, informou nesta quarta-feira (30/12) o porta-voz do comando militar dos Estados Unidos Kyle Raines.

“Essas acções foram altamente provocativas, inseguras e pouco profissionais, e lançam dúvidas sobre o comprometimento do Irão quanto à segurança de uma rota marítima essencial para o comércio internacional”, afirmou o porta-voz.

Os testes de mísseis ocorreram no dia 26 de Dezembro no Estreito de Hormuz, perto do porta-aviões americano USS Harry S. Truman, ao destroier USS Bullkeley e a uma fragata francesa. Segundo o porta-voz, navios mercantes também estavam nas proximidades.

Raines disse que a Guarda Revolucionária do Irão avisou com “apenas 23 minutos de antecedência” sobre a realização dos testes.

Segundo Raines, o exercício militar foi uma excepção à rotina segura e profissional das interacções entre as forças iranianas e americanas, e põem em risco a “liberdade de navegação e a segurança marítima” dentro dos padrões globais.

Uma reportagem da rede de televisão americana NBC relatou que um míssil chegou a apenas 1.500 metros do USS Harry S. Truman, que entrava no Estreito de Hormuz durante um trajecto de rotina.

Segundo a emissora, um militar americano disse que os mísseis, lançados de diversas embarcações de pequeno porte da Guarda Revolucionária do Irão, estariam desgovernados.

O incidente ocorreu em meio ao degelo das relações diplomáticas entre os EUA e o Irão, após a assinatura do acordo sobre o programa nuclear iraniano entre Teerão e o grupo 5+1, formado por China, Estados Unidos, França, Reino Unido, Rússia e Alemanha.

O acordo estabelece a suspensão das sanções que pesam sobre a economia iraniana em troca de restrições às actividades atómicas do país. (DW)

RC/ap/afp/dpa/rtr

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA