Embaixadores extraordinários e plenipotenciários reúnem-se em Luanda

Edifício do MIREX (Ministério das Relações Exteriores) (Foto: Clemente Santos)

Os embaixadores extraordinários e plenipotenciários de Angola no exterior reúnem-se a partir de hoje, segunda-feira, em Luanda, para analisarem questões atinentes à diplomacia angolana, bem como fazer o balanço das actividades desenvolvidas ao longo do ano político que está preste a encerrar.

De acordo com uma nota do Ministério das Relações Exteriores (Mirex) a que a Angop teve acesso, o certame com termo previsto para quarta-feira decorrerá sob o lema “40 anos de diplomacia: afirmação e visão estratégica”.

Segundo o informe, esta é a VII reunião e será precedida da inauguração de uma exposição fotográfica, retratando a história e os actores dos 40 anos de diplomacia angolana, em que ressaltam nomes como de José Eduardo dos Santos, ministro das Relações Exterior do 1º governo da então República Popular de Angola, Roberto Victor de Almeida, o 1º secretário-geral igualmente do Mirex.

Os órgãos executivos do Mirex, acrescenta o documento, liderados pelo ministro George Rebelo Pinto Chikoti, fazem coincidir a VII reunião de embaixadores com a homenagem póstuma a ser prestada a quatro ex-ministros do Mire, atribuindo os seus dignos nomes a lugar de honra da instituição.

O programa prevê para hoje o descerramento de placas no Salão nobre ministro Paulo Teixeira Jorge, Anfiteatro ministro Afonso Van-Dúnem – M’binda, Salão ministro Pedro de Castro Van-Dúnem – Loy (teatro) e Instituto Superior de Relações Internacionais Ministro Venâncio de Moura.

Durante os três dias, os diplomatas vão analisar temas que têm a ver com o estado das relações político-diplomáticas, cooperação, constrangimentos e perspectivas, bem como questões políticas de África, Médio Oriente, América, Europa, Ásia e Oceânia.

De acordo com o programa, constam ainda agenda do evento discussões sobre a presença de Angola no Conselho de Segurança: Engajamento e perspectiva, de sua presidência, as implicações dos conflitos no Médio Oriente, propostas de redistribuição geográfica das Missões Diplomáticas, redes sociais e suas ameaças, assim como os riscos do terrorismo em Angola. (ANGOP)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA