Cuanza Norte: Registados 375 casos de gravidez precoce em Ambaca

(DR)

Trezentos e 75 casos de gravidez precoce foram registados durante o ano de 2015, no município de Ambaca, província do Cuanza Norte, mais 225 casos em relação ao ano anterior.

Os dados foram avançados hoje, terça-feira, à Angop, em Camabatela, pela responsável da secção local da Família e Promoção da Mulher, Teresa Miguel da Silva, adiantando que os casos aumentaram apesar das campanhas de sensibilização realizadas pela instituição com o apoio de parceiros sobre a importância da educação sexual na adolescência para a redução do fenómeno.

A responsável fez saber que a faixa etária dos 12 aos 17 anos é a mais afectada pelo fenómeno que cresce devido a falta do diálogo nas famílias, pouca educação sexual, pobreza, entre outras causas.

Disse que estas meninas acabam por gerar filhos sem estarem física e psicologicamente preparadas, o que constitui um obstáculo ao seu desenvolvimento.

Para si, o mais preocupante é o facto de estas meninas desistirem da escola por vergonha, comprometendo assim o seu futuro, pois que, a maioria já não voltam a frequentar a escola e as que voltam o seu rendimento é baixo.

Teresa Miguel da Silva lembrou que a realidade pode ser ainda mais grave, visto que estes números são apenas os fornecidos pelo hospital municipal, obtidos a partir das consultas pré-natais, podendo os números serem maiores se se tiver em conta o facto de que muitas meninas furtarem-se as consultas do género.

Para inverter o quadro, a responsável disse que, a instituição vai redobrar as acções de sensibilização, através de realização de palestras nas comunidades para combater este mal que já compromete a estabilidade das próprias famílias.

Acrescentou que será prestada mais atenção as comunidades rurais para combater os tabus a volta da maternidade, pois que, muitos relacionamentos começam muito cedo por causa da pressão familiar.

Apelou aos pais a assumirem o verdadeiro papel, pautando mais pelo diálogo e a educação dos filhos, bem como na busca do seu sustento, visando garantir os direitos da criança. (ANGOP)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA