Comissão Eleitoral no Cuando Cubango dá nota positiva às actividades de 2015

Felisberto Sérgio Cauti Canhanga - Presidente da Comissão Eleitoral no Cuando Cubango (ANGOP)

O presidente da Comissão Provincial Eleitoral no Cuando Cubango, Felisberto Sérgio Cauti Canhanga, considerou positivo o funcionamento prestado pelos trabalhadores ao longo do ano preste a terminar, consubstanciado no cumprimento das orientações superiormente acometidas.

Em declarações à imprensa, para efectuar o balanço funcional do ano 2015, o presidente afirmou que o ano 2015 está a ser positivo, apesar das limitações impostas pela desaceleração económica. “Os funcionários estiveram engajados no cumprimento das orientações acometidas superiormente e nada de anormal foi observado.”

Como pntos positivos, o mesmo apontou a construção do edifício da Comissão Provincial Eleitoral, numa execução física avaliada em 80 porcento, não tendo terminado por algumas questões de ordem financeira, mas que se espera que, em 2016, seja concluído.

Informou que a comissão está instalada nos nove municípios do Cuando Cubango, mas que as municipalidades do Cuangar, Nankova, Cuchi e Mavinga as suas instalações encontram-se em estado avançado de degradação, carecendo de reparação urgente, uma situação que será no próximo ano equacionada.

Felisberto Sérgio Cauti Canhanga garantiu que o Cuando Cubango será assim contemplado, a partir de 2016, com a recuperação de instalações das comissões municipais degradas e a construção de duas novas, com destaque para o Cuangar e Mavinga, dado o estado muito adiantado de degradação.

Apesar destas dificuldades mencionadas, o responsável disse que os funcionários nestas localidades funcionam em tempo integral através das comissões, o que anima a direcção provincial.

No âmbito jurídico, fez saber que a comissão já tem em sua posse a Lei nº 08/2015 de 15 de Junho, que é a Lei de Registo Eleitoral Oficioso, instrumento que poderá traçar as balizas para actualização dos registos dos potenciais eleitores com a nova modalidade que nela se consagra.

Apontou como dificuldades, algumas limitações financeiras, uma situação de ordem colectiva de todas as instituições que depois da revisão do OGE, viveram momentos similares. (ANGOP)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA