Bié: Governo garante continuidade na manutenção das rodovias

Meios para asfaltagem de estradas (Foto: Bartolomeu do Nascimento)

O Governo da província do Bié vai dar continuidade em 2016 a construção e a reabilitação das estradas Cuito/Andulo e Cuito/Cuemba, visando maior segurança na circulação de pessoas e bens, assim como impulsionar o crescimento da economia nesta parcela do país.

A garantia é do governador do Bié, Álvaro Manuel de Boavida Neto, que, na sequência, assegurou a continuidade dos projectos do Executivo, não obstante ao abrandamento da economia angolana provocada pela queda do preço do barril do petróleo bruto no mercado internacional.

O Governo, disse, possui um vasto programa de intervenção para as vias de acesso, salientando que mais de 360 quilómetros de estradas, consignadas o ano passado pelo Ministério da Construção, serão recuperadas na província do Bié.

Das estradas em causa constam a reabilitação dos troços rodoviários da estrada que liga a comuna de Cachingues/Chicala e Mutumbo, município do Chitembo, num total de 116 quilómetros.

O governante assegurou ainda que o projecto engloba a recuperação e pavimentação de 113 quilómetros da Estrada Nacional EN-150 que liga o município de Camacupa com as comunas de Ringoma e Umpulo.

Abrange ainda a reabilitação e pavimentação da Estrada Nacional EN-141 que dá acesso ao município do Andulo com a vila de Cassumbe, reabilitação e pavimentação de 52 quilómetros e da Estrada EZ-143, que liga o município da Nhârea e a comuna da Gamba, numa extensão de 43 quilómetros.

Fazem parte também a reabilitação e pavimentação de 147 quilómetros a Estrada Nacional EN-250, Camacupa e Cuemba até a comuna do Munhango (província do Bié), e estão envolvidos as empresas de construção civil Emosul, Engevia Lda, entre outras.

Para a concretização dos projectos, o Governo investe 38 biliões, 19 milhões 999 mil 895 Kwanzas.

O trabalho de recuperação das estradas, disse, vai oferecer 892 empregos direitos para angolanos e estrangeiros e mil 340 empregos indireitos em mão de obra nacional. (ANGOP)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA