Basquetebol: Conquista do africano faz justiça a nível interno – MVP

Leia Dongue, jogadora sénior feminino de basquetebol do 1º de Agosto (Foto: Henri Celso)

A basquetebolista do 1º de Agosto Leia Dongue, eleita mais valiosa (MVP) da 21ª edição da Taça dos Campeões Africanos, considerou que a conquista do troféu pela sua equipa veio fazer justiça ao desempenho das ?militares? este ano a nível interno, onde ganharam quase tudo.

Em declarações à Angop, após vencer o título continental ao Interclube (69-53), no último domingo, a extremo-poste sublinhou a campanha da equipa na presente época, lembrando as conquistas, sobre o mesmo adversário, do campeonato nacional e Taça de Angola.

No seu entender, na final entre as formações angolanas, no Pavilhão Multiuso do Kilamba, o 1º de Agosto foi digno vencedor, porque já havia ganho dois troféus principais no país, contrariamente ao seu oponente que teve apenas a Supertaça.

Daí a razão por que acha estar a taça dos campeões, que faltava no seu palmarés em três anos no clube, bem entregue.

“Ganhamos o campeonato nacional, a Taça de Angola, tivemos quase 50 porcento das jogadoras lesionadas, eu própria estive lesionada durante muito tempo e não fui ao Afrobasket2015, mas graças a deus consegui o objectivo principal de reconquistar esse título que fugia há muitos anos ao 1º de Agosto”, disse.

Leia Dongue afirmou que foi difícil ganhar, porque, apesar de a equipa entrar com a lição bem estudada, em algum momento do jogo chegou a oscilar e quase comprometia todo um trabalho que tem vindo a se realizar durante muito tempo.

Dedicou a vitória aos adeptos e a direcção do clube, em particular ao presidente Carlos Hendrick, que na sua opinião prestou todo o apoio necessário para que fosse possível vencer.

“Agradecer também a Deus por este prémio que deu para o 1º de Agosto. Esta é a prova mais importante do ano e foi justa”, sublinhou a atleta que contribuiu com 28 pontos, 18 ressaltos, três assistências e quatro desarmes de bola.

A capitã Fineza Eusébio corrobora da ideia da colega e acrescenta que a conquista tem um carácter “especial” por ocorrer na capital do país, Luanda, diante dos seus sócios, dirigentes, adeptos e outros amantes da modalidade.

No seu entender, o segredo esteve na defesa, pois a equipa teve que ser muito agressiva a defender para poder contra-atacar e ter mais confiança no ataque.

“Foi isso que fez com que nós ganhássemos o jogo. Graças a deus as coisas funcionaram como queríamos, está de parabéns o 1º de Agosto e todos os adeptos”, asseverou. (ANGOP)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA