APDCA apoia grupos de pessoas com maior vulnerabilidade e risco social

Evelize Frestas - Vice-presidente da Apdca (Foto: Francisco Miudo)

Crianças, idosos e mulheres grávidas com maior vulnerabilidade e risco social das províncias do Cunene, Luanda, Benguela e Cuando- Cubango vão beneficiar de projectos de apoio concebidos pela Associação para o Progresso e Desenvolvimento das Comunidades de Angola (Apdca).

Em entrevista à Angop, a vice-presidente da Apdca, Evelize Frestas, afirmou que a associação vai, a partir de Janeiro do próximo ano, implementar projectos sociais que vão priorizar crianças mal nutridas, grávidas, doentes com tuberculose e portadores de VIH/Sida.

Numa primeira fase, os projectos vão abranger as quatro províncias acima referidas e depois vão se estendendo a outras, com primazia a do Bengo que também apresenta um um número elevado de grupos alvo com maior vulnerabilidade e risco social.

Dentre os projectos, apontou o reforço alimentar constituído por uma refeição diária, baseada em produtos seleccionados disponíveis localmente e preparados da maneira nutricionalmente correcta, como por exemplo, a fuba de banana verde que enriquecida com cerca de cinco nutrientes.

Acrescentou que nestas províncias a agricultura local deverá ser dirigida para este fim, promovendo o cultivo de ginguba, a plantação de moringa e hortícolas, devendo ser também promovida a piscicultura e a apicultura.

Em termos de educação, a Apdca preconiza a alfabetização e a promoção da escolaridade básica, a actividade física e o desporto, aliada à promoção dos valores morais e cívicos.

Segundo Evelize Frestas, todas as acções a serem desenvolvidas pela Apdca serão concebidas com a participação da comunidade, implementadas no seu seio e por ela própria, constituindo-se em cada local o chamado “Nosso Jango”, os quais funcionarão em estreita articulação e harmonia com os governos provinciais e administrações municipais.

” Propomos desenvolver acções simples, acessíveis, mas de alto impacto, adequadas à presente conjuntura em que somos desafiados a ser criativos para fazermos mais com menos”, realçou.

Evelize Festas convida as pessoas de boa fé a juntarem-se como colaboradores, madrinhas ou padrinhos de uma província ou um município, num ou mais projectos em que queiram prestar a sua benévola contribuição, melhorando competências familiares, promovendo as práticas adequadas na família, nos lares e a nível das comunidades.

“Neste fim de ano, em que se comemora, como sempre, o dia da família, devemos dedicar os nossos pensamentos e acções à protecção e fortalecimento das famílias, ao bom convívio entre gerações, à salvaguarda dos princípios e valores que são o nosso maior legado”, frisou.

De acordo com a vice-presidente da Apdca, a sociedade deve sentir-se sensibilizada em ajudar o Executivo Angolano, apoiando com acções sociais, nos seus projectos que visam a melhoria da vida das populações.

A Apdca, fundada em Abril deste ano, conta com 110 membros, é uma Ong de âmbito nacional, sem fins lucrativos e visa a promoção e desenvolvimento das comunidades de Angola.

Tem como preocupação central a necessidade de apoiar de forma consistente e eficaz as mulheres, muitas das quais chefes de famílias, por vezes com menos acesso à informação, formação e oportunidades, particularmente no meio rural e interurbano, apesar disso assumindo a educação da nova geração e desempenhando actividade económica frequentemente informal para o sustento das suas famílias. (ANGOP)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA