Angola/Expo-Indústria: INADEC aposta na formação de produtores

Paulina Semedo - Directora do INADEC (Foto: Gaspar Dos Santos)

A expansão da capacitação dos produtores e o lançamento do livro de reclamações dos consumidores, em 2016, para garantir e salvaguardar a segurança dos serviços e alimentos da população, constituem os principais desafios do Instituto Nacional de Defesa do Consumidor (INADEC).

A informação foi avançada à Angop, pela directora geral do INADEC, Paulina Semedo, à margem da 2ª edição da Expo-Indústria, que se encerrou neste domingo, em Luanda.

Destacou igualmente a criação das capacidades internas para gerir as reivindicações dos consumidores como uma das prioridades do próximo ano.

Apontou ainda o número satisfatório de reclamações e resoluções de conflitos entre clientes e fornecedores, bem como o início da execução do Programa Nacional de Formação Higiene e Segurança Alimentar (PNFHSA), principais avanços que a instituição em 2015.

O programa, explicou, permitiu formar cerca de dois mil empregados, em seis províncias do país

Disse ser necessário que as empresas e indústrias estejam certificadas pelas instituições competentes e credíveis, para haver serviços e produtos de qualidade que dão garantias e superam as expectativas dos consumidores, aumentando o interesse dos clientes nacionais e estrangeiros a aderirem à produção interna para aumentar a riqueza do país.

Sugeriu ao Instituto Angolano de Acreditação (IAAC), criado recentemente pelo Ministério da Indústria, a realizar encontros com os industriais, produtores, comerciantes, consumidores e técnicos do sector industrial para explicar e fazer entender dos principais benefícios resultantes da acreditação e certificação dos bens e serviços produzidos em Angola.

Segundo a directora, o processo da acreditação e certificação das empresas e produtores permite fiscalizar com maior eficiência a qualidade dos bens e serviços fornecidos à população.

Considerou também a sensibilização, educação, informação e o contacto permanente com os fornecedores de serviços e produtos como factores essenciais para assegurar a saúde das populações.

Apelou, por outro lado, os consumidores a prestarem muita atenção na compra de qualquer produto, principalmente nesta época da quadra festiva, onde há maior tendência desenfreada de se vender bens danosos à saúde. (ANGOP)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA