Angola precisa de 26 mil Médicos e Enfermeiros

Aldemiro Vaz da Conceição (Foto: Angop)

O director do Gabinete de Quadros da Casa Civil da Presidência da República, Aldemiro Vaz da Conceição, considerou fundamental o processo contínuo de formação de quadros qualificados para responder aos desafios que o país tem em época de crise.

Aldemiro da Conceição, que falava no encontro nacional de quadros do MPLA, ontem, em Luanda, manifestou-se preocupado com o défice de quadros qualificados que ainda se regista no país.

O governante, que considera fundamental na era do conhecimento a formação constante, apontou os sectores da Saúde, Indústria e da o Educação como os que mais preocupam o Governo.

Revelou que o país neste momento precisa de cerca de 26 mil Médicos e Enfermeiros para acudir as necessidades sanitárias.

OPAÍS apurou que esta situação tem estado a agudizar-se com o abandono dos Médicos cubanos, alegadamente causado pelo não pagamento de ordenados.

Por isso, disse Vaz da Conceição, dentro do Programa Nacional de Formação de Quadros já foram formados, nos últimos 5 anos, perto de 275 mil estudantes do ensino superior, 450 mil do ensino técnico, 1 milhão no ensino de base e 5 mil engenheiros.

Porém, a fonte disse ser preciso o reforço das políticas de formação de quadros se quisermos alcançar as metas de desenvolvimento e, por conseguinte, a diversificação da economia.

O chefe do programa de Formação de Quadros sublinhou igualmente a estimulação e inserção de novos modelos de formação como cruciais.

Por seu turno, o vice-presidente do MPLA, no discurso de abertura do encontro, considerou que a população deve poupar mais e gastar menos em tempo de crise.

Roberto de Almeida aconselhou, para isso, a criação de outras formas de sustento do país, consubstanciadas em receitas fiscais e na diversificação das exportações.

“O país esta a passar por momentos difíceis, mas o investimento humano é uma das grandes prioridades no sentido de melhorar as condições de saúde das populações, bem como no reforço das competências e capacidades profissionais”, avançou.

Roberto de Almeida considerou o encontro de importante por representar uma espécie de antecâmara dos grandes desafios do partido, designadamente o Congresso e as eleições gerais agendadas para 2017.

Na ocasião, uma das preocupações levantadas pelos participantes prendeu-se com o direito e igualdade de oportunidades.

Para os quadros do MPLA, tem havido descriminação na forma de tratamento e na qualificação das competências.

Em resposta, o vice-presidente do MPLA considerou esta questão de preocupante, na medida em que defende o seu extremínio, promovendo, deste modo, a meritocracia. Combater todas as formas de descriminação e intolerância política também fazem parte das prioridades do partido dos camaradas.

O político do maior partido angolano considerou também a formação contínua de quadros e a sua gestão como elemento fulcral face ao contexto de crise que o país vive, de modos a fazer com que as críticas dos opositores não tenham razão de ser feitas.

“Hoje já não contam apenas os programas de governação, mas sim a formação de quadros capazes de responder às necessidades das comunidades e alcançarmos os objectivos eleitorais em 2017”,-esclareceu o político que olha para este pressuposto da formação e a gestão de quadros como premissa fundamental na aproximação com as bases, sobretudo em período de véspera do Congresso aprazado para o próximo ano.

Apontou também como prioridade o alargamento da sua base de militantes no grupo de jovens das zonas urbanas e peri-urbanas. Por isso é que os quadros e militantes devem primar por uma postura coesa e interativa na sociedade, disse.

“A actuação dos quadros do MPLA não se resume apenas nos estudos políticos, mas também compete identificar os problemas da população e resolvê-los”,- disse o político, que para isso reputa de fundamental a  formação contínua dos militantes. “Os quadros do partido com conduta indecorosa, manchando o bom nome do partido, não merecerão nomeação”,- disse.

Roberto de Almeida vice-presidente do partido dos camaradas

Roberto de Almeida vice-presidente do partido dos camaradas

Quanto a discrepância de salários entre nacionais e expatriados, Roberto de Almeida disse ser uma das grandes questões a ser discutidas neste encontro de Gestão e Formação de Quadros.

“Nós precisamos de uniformizar e qualificar os profissionais em função da sua competência, não importa a sua opção política (ou origem)”,-disse.

Quanto a estratégia político -partidária, disse estar em curso um programa de alargamentos das bases com vista a garantir a vitória nas urnas.

Ressaltou também, aquele politico, os grandes desafios como o da reconstrução nacional, diversificação da economia e o reforço, coesão e a unidade do partido.

“Temos estado a procurar tentar descer mais para as bases para tentar Roberto de Almeida vice-presidente do partido dos camaradas perceber os problemas da nossa população”, disse. Contudo, Roberto de Almeida, no mesmo discurso, referiu que no MPLA continuam intactos os princípios que estiveram na base da sua criação.

Nesta altura de mais uma celebração, o politico, embora reconheça existirem avanços na relação com a massa militante, admite ser necessário fazer muito mais quanto à competência dos militantes.

“Meus camaradas, os desafios são enormes. O Partido tem muitos desafios e nós precisamos de militantes à altura”, disse.

O encontro, que teve o seu inicio ontem, reúne perto de mil militantes vindos de todas as provínciais do país.

Durante dois dias serão debatidos vários temas ligados à gestão de quadros , valorização e integração social.

A abertura contou com a presença de figuras proeminetes do partido, com destaque para o secretário-geral, Julião Mateus Paulo “Dino Matrosse”.

MPLA celebra aniversário em todo o país

Encontro Nacional de Quadros do Partido maioritário em Angola

Encontro Nacional de Quadros do Partido maioritário em Angola

A secretária para informação e propaganda do MPLA de Luanda destacou as actividades agendadas para saudar a data da sua fundação que hoje se assinala.

Djamila Prata sublinhou que, no âmbito do melhoramento das condições da base dos militantes ao nível dos municípios, foram erguidas de raiz estruturas denominadas “casas do partido”, que servirão para coordenar e debater as políticas do MPLA. Numa primeira fase, a prioridade recairá para os municípios do Cazenga e Belas. Segundo o programa que visa saudar a data, estão contemplados conferências, actividades desportivas e recreativas de massas, e uma manifestação em todos os municípios agendadas para Sábado. (opais)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA