Ameaça em avião da Air France foi “falso alarme”, disse presidente da companhia aérea

O objeto foi encontrado na casa de banho do avião (GUILLAUME HORCAJUELO/EPA)

Voava da ilha Maurícia para Paris, mas aterrou de emergência no Quénia, depois de um passageiro ter encontrado um objeto suspeito. Autoridades disseram que era uma bomba, mas negaram a seguir.

Um avião da Air France aterrou de emergência no Quénia, durante a madrugada deste domingo, depois de um dos passageiros ter encontrado um objeto que aparentava ser uma bomba. Os passageiros que voavam da ilha Maurícia para Paris foram obrigados a evacuar o avião em Mombaça, o objeto foi retirado e esteve a ser analisado pelas autoridades quenianas.

A confirmação oficial de que se tratava de uma bomba foi dada no domingo de manhã pela Autoridade dos Aeroportos do Quénia, mas alterada pouco tempo depois na conta da autoridade no Facebook. O líder da companhia aérea francesa disse mais tarde, em conferência de imprensa, que se tratava de “um falso alarme”.

“Toda a informação que foi disponibilizada até ao momento indica que o objeto não tinha capacidade para criar uma explosão ou danificar o avião. Era antes uma mistura de cartão, papel e um temporizador”, disse Frédéric Gagey.

O explosivo foi levado para um sítio “seguro”, fora do aeroporto, para ser detonado. Estavam a bordo do avião da Air France 459 passageiros e 13 membros da tripulação, que saíram do avião em segurança e foram levados para hotéis nas proximidades.

De acordo com o Independent, há dois suspeitos que estão a ser interrogados, o aeroporto foi encerrado e os voos suspensos. O The Guardian fala em seis e diz que o passageiro que avisou sobre o dispositivo é um dos que está a ser interrogado.

O alarme da situação levou a que alguns passageiros ficassem feridos, sem gravidade, durante a aterragem, explicou o porta-voz da polícia queniana, Charles Owino, à Bloomberg. “O avião avisou o espaço aéreo do Quénia 20 minutos depois de ter levantado voo de Maurícia, por volta das 21 horas. Aterrou em segurança no aeroporto Moi International às 00h37.

A 31 de outubro, 224 pessoas morreram durante a queda de um avião russo na península de Sinai, no Egito. O Estado Islâmico reivindicou o ataque e afirmou que se tinha tratado de uma retaliação contra os ataques da Força Aérea russa na Síria. Autoridades norte-americanas e britânicas disseram mais tarde que a queda terá sido provocada por uma bomba.

O Quénia tem vindo a montar várias operações de segurança depois da queda do avião russo e de ataques levados a cabo por militantes de al-Shabaab Islamist, que está relacionado com o grupo terrorista al-Qaeda.

O passageiro a bordo do voo da Air France encontrou um objeto que parecia conter explosivos e um relógio, na casa de banho do avião, explicou o ministro do Interior Mwenda Njoka. As autoridades ainda não esclareceram se se tratava de um explosivo, mas a situação no aeroporto está já sob controlo.

*O título desta notícia foi alterado depois das declarações do presidente da Air France. (OBSERVADOR)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA