Tensão em Zanzibar após anulação de eleições

(DW)
(DW)
(DW)

Em Zanzibar, aumenta a pressão sobre a Comissão Eleitoral, após anulação das eleições de 25 de Outubro devido a “violações da lei eleitoral”. Ao mesmo tempo, decorrem negociações na região para resolver a crise política.

Da mediação para evitar a violência em Zanzibar fazem parte membros da comunidade internacional, como as Nações Unidas e a União Europeia. Pedem calma e apelam à paz no arquipélago semi-autónomo de Zanzibar, na Tanzânia.

Presidente fica

O mesmo fez a oposição, esta segunda-feira (02.11.2015) – dia que deveria ter marcado o fim do mandato do Presidente cessante de Zanzibar, Ali Mohamed Shein, do partido Chama Cha Mapinduzi (CCM). Dado o impasse político, diz o Governo, Shein deverá manter-se no poder até que o arquipélago realize novas eleições.

Na semana passada, o líder da oposição, Seif Sharif Hamad, da CUF – Frente Cívica Única, declarou-se vencedor, ainda antes do anúncio dos resultados eleitorais. Um dia depois, a votação foi anulada e o político de 72 anos, que tenta chegar à Presidência de Zanzibar desde 1995, ameaçou apelar a protestos, caso a situação não fosse resolvida até esta segunda-feira.

Patrulha do exército

Agora, enquanto decorrem as negociações entre líderes políticos e da sociedade civil, bem como membros da comunidade internacional, Sharif Hamad mostra-se optimista quando ao futuro político da região: “Mais tarde ou mais cedo, esta crise será resolvida de forma pacífica e os zanzibares verão os frutos da nossa democracia”.

Ainda assim, na última segunda-feira, o exército patrulhava as ruas da capital do arquipélago no Oceano Índico, depois da explosão de pelo menos duas bombas artesanais em Zanzibar, no fim-de-semana. Não há registo de feridos e, de acordo com as autoridades, não há, para já, qualquer prova da ligação das explosões ao acto eleitoral.A violência pós-eleitoral é frequente na região.

Daqui para frente

A votação nas ilhas, segundo a Comissão Eleitoral, deverá repetir-se dentro de 90 dias. No entanto, a data vai depender do resultado das negociações entre as diversas partes. (dw.de)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA