Sistema Nacional de Formação capacita mais de trezentos mil jovens

Pitra Neto - Ministro do Maptess (Foto: Joaquina Bento)
Pitra Neto - Ministro do Maptess (Foto: Joaquina Bento)
Pitra Neto – Ministro do Maptess (Foto: Joaquina Bento)

Trezentos e noventa e três mil oitocentos e um jovens foram capacitados de 1998 a 2014 pelo sistema nacional de formação profissional, do Ministério da Administração Pública Trabalho e Segurança Social, informou hoje, terça-feira, em Luanda, o ministro António Pitra Neto

O ministro prestou a informação durante a cerimónia de abertura do encontro sobre “Formação Profissional Resultados e desafios”, que teve como propósito apreciar os principais indicadores sobre os resultados produzidos pelo sistema nacional de formação ao longo dos anos.

Durante o referido período, o sistema inscreveu 598.446 candidatos e matriculou 494.023, sendo registado 45.375 desistências e 23.196 não aptos.

Segundo o titular da pasta da administração pública, o sistema dispõe de mais de 550 unidades de formação em quase todo o país, conta com mais de 45 mil postos formativos instalados e ministra mais de 111 especialidades formativas.

O crescimento assinalável desses indicadores verificou-se, obviamente, a partir de 2002, após a conquista da paz. “O facto de Angola ser uma sociedade pós conflito obrigou e obriga a que esta realidade- transversalmente marcante seja devidamente considerada nas opções, nos programas e nos projectos do sistema de formação profissional ”, referiu.

Fez saber que o sistema está estruturado em quatro níveis, permitindo assim responder nos 1º e 2º com soluções flexíveis, por intermédio dos pavilhões de artes e ofícios, centros integrados de emprego e formação, bem como as unidades itinerantes de formação e a procura massiva de jovens das zonas rurais e áreas periféricas das cidades.

Salientou, por outro lado, que as escolas rurais de capacitação e ofícios “Cidadela jovens de sucesso” representam um contributo modesto para os sectores competentes, não só na reeducação e formação integral de adolescente e jovens em condições socialmente mais vulneráveis, como também para a capacitação de mão de obra especializada para o sector agrícola e pecuário.

Referiu que a avaliação, certificação profissional e as carteiras profissionais constituem acções em processo de consolidação e expansão. (portalangop.co.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA