Ler Agora:
Senador americano “urge” Presidente angolano a garantir direitos e liberdades
Artigo completo 3 minutos de leitura

Senador americano “urge” Presidente angolano a garantir direitos e liberdades

Benjamin L. Cardin (Charles Dharapak/AP)

Benjamin L. Cardin (Charles Dharapak/AP)

Uma carta assinada por Benjamin L. Cardin, membro do Comité das Relações Exteriores do Senado dos Estados Unidos, pede ao Presidente angolano que reveja a conduta da Polícia Nacional e da Justiça em relação aos diversos casos de activistas detidos apenas por expressarem a sua opinião.

O documento datado de 16 de Novembro, dia do início do julgamento dos activistas acusados de rebelião e de organizar um golpe de Estado em Luanda, Cardin “urge” José Eduardo dos Santos a “assegurar que eles (Polícia e Justiça) respeitem e protejam os direitos de liberdade de associações, reunião e expressão garantidos na Constituição a todos os angolanos e a um julgamento rápido e com direito de recurso”.

No entendimento daquele membro do Comité das Relações Exteriores do Senado dos Estados Unidos, Angola deve “respeitar integralmente” os direitos e liberdades políticas garantidas nos tratados internacionais de que é parte, “incluindo a Carta Africana dos Direitos do Homem e dos Povos, a Declaração Universal dos Direitos Humanos e o Tratado Internacional dos Direitos Políticos e Civis”.

“Recomendo o seu Governo a aceitar discutir a questão dos direitos humanos como parte do Diálogo da Parceria Estratégia Angola-Estados Unidos,  um diálogo ao mais alto nível sobre o assunto”, diz a carta de Benjamin L. Cardin a José Eduardo dos Santos.

O senador conclui dizendo “esperar” que, no encontro entre os chefes das diplomacias dos dois países, previsto segundo o Governo de Angola para amanhã, 18, em Washington, o ministro George Chikoti aborde com o secretário de Estado John Kerry “a sua posição sobre os casos mencionados (na carta) bem como os planos para garantir a existência de um espaço político aberto em Angola em que a sociedade civil e a  oposição política operam livremente”.

No documento, o membro do Comité das Relações Exteriores do Senado dos Estados Unidos começa por reconhecer o “admirável”  papel do Presidente José Eduardo dos Santos à frente da Conferência Internacional da Região dos Grandes Lagos, nomeadamente na República de Democrática do Congo.

“No entanto, hoje escrevo para expressar a minha preocupação pela erosão dos direitos humanos e liberdade política em Angola”, continua Benjamin L. Cardin que, depois cita “os relatórios preocupantes” em matéria de direitos humanos.

A prisão dos 15 activistas em Junho, a nova lei das organizações não governamentais, os casos de José Marcos Mavungo, Rafael Marques e Arão Bula Tempo e os incidentes ocorridos entre a polícia e os fiéis da seita A Luz do Mundo são citados pelo senador que, “respeitando o direito da soberania de Angola”, diz haver questões por esclarecer sobre a motivação da prisão desses jovens que, com base dos relatórios que tenho, indicam simplesmente discussões sobre métodos pacíficos de manifestação”. (voa.com)

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Os campos com são obrigatórios *

Input your search keywords and press Enter.
Translate »