SADC: Angola assume presidência rotativa do SACMEQ

Pinda Simão, ministro da Educação, representou o país na reunião de Gaberone (arq.) (Foto: Lino Guimarães)
 Pinda Simão, ministro da Educação, representou o país na reunião de Gaberone (arq.) (Foto: Lino Guimarães)

Pinda Simão, ministro da Educação, representou o país na reunião de Gaberone (arq.) (Foto: Lino Guimarães)

Angola assumiu a partir desta sexta-feira a presidência rotativa por dois anos do Consórcio da África Austral para a Monitorização da Qualidade da Educação (SACMEQ), durante a 17ª sessão da sua Comissão de Gestão, realizada de 26 a 27 de Novembro, em Gaberone, capital do Botswana, indica uma nota da Missão Diplomática angolana naquele país chegada hoje a esta redacção.

O ministro angolano da Educação, Pinda Simão, recebeu as pastas da organização do seu homólogo da Zâmbia, John Phiri, cujo país presidiu o SACMEQ nos dois últimos anos, refere o documento da Embaixada de Angola no Botswana.

A SACMEQ é uma iniciativa do programa educacional da União Africana (UA), que integra 13 países da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC) e mais dois membros da organização congénere da zona oriental, designadamente o Quénia e o Uganda. Angola aderiu à SACMEQ em 2013, durante a sua reunião realizada em Paris (França).

O alargamento da iniciativa a países não-membros da SADC levou já a decisão, por parte da Comissão de Gestão (composta pelo conselho dos ministros da Educação), de se adequar a sigla do consórcio para se adoptar uma outra que reflicta o actual quadro, visando incluir vários Estados de outras regiões.

O SACMEQ tem como objectivo a criação de condições para que haja facilidade de mobilidade de alunos, estudantes, professores e trabalhadores da educação entre as diversas regiões de África, através de programas e projectos para equilibrar os sistemas de educação e ensino de mais países do continente.

Para o efeito, são levados a cabo durante a vigência de um programa testes para alunos do ensino básico (até a sexta classe), nos quais os participantes de cada país devem demonstrar as suas capacidades nas matérias de matemática, língua (portuguesa para Angola), e conhecimentos gerais sobre o VIH-SIDA.

De acordo com a nota de imprensa, Angola aderiu ao consórcio depois do lançamento do SACMEQ IV, o que a deixou de fora do concurso de 2015, devendo apenas participar no programa previsto para 2017.

O secretariado do SACMEQ tem a sede em Gaberone, depois da Comissão de Gestão ter funcionado por algum tempo junto à sede da UNESCO em Paris. Antes, o consórcio esteve baseado no Zimbabwe, de onde foi forçado a se retirar depois do agravamento da crise política naquele país da África Austral.

O ministro Pinda Simão, acompanhado pelo director do Departamento de Inovação Educacional do Ministério da Educação, Simão Agostinho, deixou na noite de sexta-feira Gaberone de regresso a Luanda. (portalangop.co.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA