Rússia une forças com a França contra “Estado Islâmico”

François Hollande (esq.) e Vladimir Putin (EPA)
François Hollande (esq.) e Vladimir Putin (EPA)
François Hollande (esq.) e Vladimir Putin (EPA)

Putin ordena que Forças Armadas russas cooperem com operações militares francesas na Síria. Após confirmação de que bomba derrubou avião russo, países concordam em coordenar ações contra grupo extremista.

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, ordenou nesta terça-feira (17/11) que o cruzador de mísseis guiados russo Moskva coopere com operações militares da França na Síria. O anúncio veio após a confirmação de que a queda do avião da companhia Kogalymavia sobre a península do Sinai, no Egipto, foi causada por uma bomba que explodiu a bordo .

“Temos que elaborar com eles um plano de acções marítima e aérea”, disse Putin aos chefes militares. Actualmente o Moskva está no Mar Mediterrâneo, o presidente afirmou que um navio de guerra francês alcançará em breve o cruzador que “cooperará com eles como aliados”.

Em comunicado, o Kremlin disse que Putin conversou por telefone com o presidente francês, François Hollande, e ambos concordaram em coordenar suas acções militares na Síria.

“Foi acordado pela Rússia e França assegurar um contacto mais próximo e a coordenação entre agentes militares e do serviço de segurança dos dois países em acções contra grupos terroristas na Síria”, disse Moscovo. Além disso, Hollande irá a Moscovo no dia 26 de Novembro para conversar sobre o combate ao terrorismo.

Represália

O anúncio da aliança entre Moscovo e Paris veio após a confirmação de que a queda do Airbus A321 russo no último dia 31 de outubro foi causada por uma bomba e a promessa de Putin de caçar os responsáveis pelo desastre que matou as 224 pessoas a bordo.

“Não temos como enxugar as lágrimas de nossa alma e coração. Isso vai ficar connosco para sempre, mas não vai nos impedir de encontrar e punir os criminosos”, afirmou Putin, em declarações divulgadas nesta terça. “Vamos procurá-los em todos os lugares em que eles podem estar escondidos. Vamos encontrá-los em qualquer lugar do planeta.”

Na ocasião do desastre, um grupo ligado ao “Estado Islâmico” (EI) já havia reivindicado a responsabilidade pelo ataque, mas a Rússia preferiu esperar pelos resultados oficiais das investigações para tomar qualquer providência.

O Ministério russo da Defesa anunciou ainda nesta terça-feira que Moscovo bombardeou alvos do EI em Raqqa, um dos redutos dos jihadistas na Síria, além de ter lançado ataques aéreos nas províncias de Aleppo e Idlib.

A Rússia, aliada do regime do presidente sírio, Bashar al-Assad, iniciou sua campanha na Síria no final de Setembro e já bombardeou cerca de 2,3 mil alvos na região. (dw.de)

CN/ap/rtr/dpa

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA