Remédio contra alcoolismo poderia eliminar vírus da aids

(AFP)
(AFP)
(AFP)

Um medicamento usado para tratar o alcoolismo em combinação com outras substâncias poderá contribuir para a erradicação do vírus da aids nas pessoas seropositivas em tratamento – é o que aponta um estudo divulgado nesta terça-feira.

O medicamento, chamado disulfiram, acorda o vírus adormecido no organismo infectado, permitindo assim destruir tanto o vírus quanto as células que o abrigam – e isso sem efeitos colaterais, notam os autores da pesquisa, publicada na revista especializada The Lancet HIV.

Actualmente um tratamento antirretroviral (ART), um coquetel de medicamentos padrão chamado terapia tripla, permite manter o vírus (hiv) em controle nos pacientes seropositivos, mas sem deixá-los completamente livres.

O vírus permanece à espreita no organismo das pessoas tratadas, de forma latente (inactivo). Este reservatório, difícil de alcançar, é um dos maiores obstáculos para o desenvolvimento de um tratamento para proporcionar alguma cura.

“Acordar” o vírus latente é uma estratégia promissora para livrar o paciente do hiv.

Mas “despertar o vírus é apenas o primeiro passo para eliminá-lo”, disse Julian Elliot, director de pesquisa clínica no departamento de doenças infecciosas no Hospital Alfred de Melbourne (Austrália), primeiro autor do estudo.

“Agora, temos que trabalhar a maneira como nos livrarmos das células infectadas”, acrescentou.

Outras drogas foram também testadas para atacar o reservatório de hiv, mas sem sucesso, ou que se mostraram tóxicas. No ensaio clínico liderado por Sharon Lewin, directora do Instituto Doherty em Melbourne, 30 pessoas em tratamento antirretroviral receberam doses crescentes de disulfiram durante um período de três dias.

Na dose mais elevada, a estimulação do hiv adormecido sem reacções adversas nos pacientes, foi obtida, de acordo com os autores.

“Este teste mostra claramente que o dissulfiram não é tóxico e é seguro de usar, e que poderia muito provavelmente ser o único a mudar a história”, disse Lewin em comunicado divulgado por seu instituto.

O próximo passo, segundo os pesquisadores, é testar esta droga em combinação com outras, tendo como alvo o próprio vírus.

“O resultado obtido continua insuficiente”, disse à AFP Brigitte Autran, especialista em imunologia e em aids da Universidade Pierre et Marie Curie/Inserm, em Paris, e co-autora de um comentário acompanhando o artigo.

“Ainda estamos muito longe de encontrarmos a solução para obtermos uma verdadeira cura dos pacientes seropositivos e até mesmo uma remissão que permitiria suspender o tratamento”, afirmou a especialista.

Com mais de 34 milhões de mortes até hoje, o hiv continua sendo um grande problema de saúde pública, segundo a OMS. No final de 2014, registava-se cerca de 36,9 milhões de pessoas a viver com o hiv. (afp.com)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA