Recomendada maior valorização das espécies florestais do país

Maria Bragança Sambo, Reitora da uan (Foto: Pedro Parente)
Maria Bragança Sambo, Reitora da uan (Foto: Pedro Parente)
Maria Bragança Sambo, Reitora da uan (Foto: Pedro Parente)

Os participantes do “II encontro nacional sobre flora e vegetação”, encerrado nesta quinta-feira, em Luanda, recomendaram a necessidade da realização de mais estudos para determinar o potencial e valorização das espécies florestais do país.

No final do encontro, os participantes manifestaram ainda a necessidade da realização de estudos sobre a flora e vegetação, quer ao nível da identificação taxonómica de espécies, quer no conhecimento da distribuição espacial das mesmas.

O certame concluiu ainda ser necessário a realização de debates e investigação sobre o carvão, cuja utilização massiva periga a manutenção de alguns ecossistemas e fragmentação de habitats, a par da criação de parques e jardins botânicos no país.

Os participantes reconheceram o grande valor e a importância do território angolano ao nível da sua flora e vegetação.

Entretanto, a reitora da Universidade Agostinho Neto (UAN), Rosaria Bragança Sambo, disse que a real situação da biodiversidade em Angola permanece desconhecida, apesar dos estudos afins realizados, tendo apelado a reversão urgente da situação recorrendo-se a parcerias nacionais e internacionais.

Dividido em três painéis, o evento, segundo os participantes, constituiu uma ocasião ímpar para a partilha dos resultados da investigação relacionada com os temas e a criação de oportunidades de interacção e cooperação entre instituições nacionais e estrangeiras.

Realizado sob o lema “Biodiversidade, um valor do futuro ”, o encontro que foi uma iniciativa do Centro de Botânica da Universidade Agostinho Neto (UAN), reuniu 300 especialistas nacionais e estrangeiros. O mesmo decorreu num momento particular da vida do país, no âmbito das comemorações dos 40 anos da Independência Nacional, a assinalar-se a 11 de Novembro.

Já ao nível internacional inseriu-se na preocupação global dos países para fazer face à rápida degradação da biodiversidade e ambiental, carência alimentar em África e escassez de recursos hídricos. (portalangop.co.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA