Papa leva mensagem de reconciliação a África

(TIZIANA FABI/AFP)
(TIZIANA FABI/AFP)
(TIZIANA FABI/AFP)

O Papa Francisco partiu esta quarta-feira para o Quénia para dar início à primeira etapa de uma viagem que inclui Uganda e República Centro-Africana, e que tem como objectivo promover a paz e a reconciliação em África.

Como já aconteceu em visitas anteriores, o Papa Francisco voltou a escolher países que vivem momentos tensos para a sua 11ª viagem. No programa estão previstos 19 discursos e numerosos encontros com a população local.

A viagem acontece num momento delicado, devido às tensões que se vivem na Europa, mas também no continente africano. Depois dos atentados a Paris, a tomada de reféns no hotel Bamaco no Mali, ao jihadismo empenhado em destabilizar o equilíbrio em boa parte do mundo o Papa Francisco reconheceu que “estamos a viver um tempo em que os fiéis de cada religião e as pessoas de boa vontade são convidadas a promover a compreensão e o respeito recíprocos”.

O Papa Francisco inicia uma viagem pelo Quénia e Uganda, dois países anglófonos, nos quais 32% e 47% da população, respectivamente, é católica.

Um dos momentos mais emblemáticos vai ser a abertura, no domingo, da porta santa da catedral de Bangui, capital da República Centro-Africana. Um gesto simbólico que antecipa a inauguração oficial em Roma de um Jubileu extraordinário, dedicado à “misericórdia” e ao perdão, convocado por Francisco para promover “a compreensão” e “o respeito” sem distinção de raça nem credo.

Apesar do Vaticano garantir que vai cumprir o programa estabelecido para Bangui, e que representa a etapa mais perigosa, onde está prevista uma visita à mesquita do bairro fortaleza muçulmano, há possibilidade mudanças de última hora, para enfrentar a violência entre milícias muçulmanas e cristãs e a insegurança.

As forças de segurança do Quénia, Uganda e República Centro-Africana adoptaram medidas de segurança para a visita de alto risco de cinco dia do papa Francisco.

Os governos queniano e ugandês anunciaram a mobilização de quase 10.000 policiais em Nairobi e Kampala, cidades nas quais o pontífice celebrará grandes missas ao ar livre.

A Organização das Nações Unidas anunciou que 300 capacetes azuis baseados na Costa do Marfim vai ser enviados à República Centro-Africana para apoiar os 12.000 elementos da Missão das Nações Unidas na República Centro-Africana (MINUSCA), responsáveis pela segurança durante a visita papal. (rfi.fr)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA