Países da SADC vão assinar novo acordo de eliminação da malária

Carlos Alberto Masseca - Secretário de Estado da Saúde (Foto: Lino Guimarães)
Carlos Alberto Masseca - Secretário de Estado da Saúde (Foto: Lino Guimarães)
Carlos Alberto Masseca – Secretário de Estado da Saúde (Foto: Lino Guimarães)

Um novo acordo de cooperação para a eliminação da malária, através de projectos transfronteiriço, deverá ser assinado ainda este ano, pelos oito países que fazem parte do grupo de eliminação da doença na região da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC).

A informação é do secretário de Estado da saúde, Carlos Alberto Maceca, que chefia uma delegação que participa desde segunda-feira na reunião conjunta dos ministros da SADC responsáveis pela saúde e combate à malária.

Acrescentou que, na terça e quarta-feira, os oito países da região que fazem parte do programa de combate transfronteiriço da malária analisaram os projectos de acções conjuntas e avaliaram o novo acordo de cooperação que será assinado ainda este ano.

Fazem parte desde grupo Angola, Botswana, Namíbia, Suazilândia, África do sul, Moçambique, Zimbabwe e Lesoto.

De acordo com Carlos Alberto Maceca, o encontro, que culmina com as celebrações do dia da SADC de luta contra a malária, a ter lugar sexta-feira, analisou a situação da tuberculose, saúde reprodutiva, parceria público-privada na saúde e financiamento e cooperação com as agências internacionais.

A criação de laboratórios regionais também constou das discussões do conclave da SADC, actualmente sob presidência do Botswana.

O Presidente do Botswana, Ian Khama, exortou o Secretariado da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC) a investir mais na luta contra a epidemia do VIH/SIDA. “A guerra para a redução das infecções com VIH/SIDA continua. O Secretariado da SADC deverá continuar a supervisionar a situação e coordenar as intervenções regionais necessárias com os Estados-membros até que estejamos certos que não haverá novas infecções com VIH”, declarou.

Ele exortou a região a manter-se firme nos seus esforços para executar as actividades chaves enunciadas pela Declaração de Maseru sobre VIH/SIDA. O Presidente do Botswana vai presidir à SADC durante os 12 próximos meses em substituição do Presidente Robert Mugabe, do Zimbabwe, que ocupava a presidência rotativa. (portalangop.co.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA