Novos donos da TAP disponíveis para trabalhar com qualquer Governo

(Negocios)
(Negocios)
(Negocios)

Um dos novos donos da TAP, David Neeleman, afirmou estar disponível para trabalhar com qualquer Governo e pediu que seja respeitado o tempo e o dinheiro investidos pelo consórcio Gateway na compra da empresa.

A Parpública anunciou na quinta-feira à noite a assinatura do acordo de conclusão da venda directa de 61% do capital da TAP ao consórcio Gateway, detido por David Neeleman e Humberto Pedrosa, da Barraqueiro.

No final da assinatura do acordo, em declarações aos jornalistas, David Neeleman disse que o consórcio Gateway vai “trabalhar junto com qualquer Governo”. “O acordo já foi assinado e as pessoas vão respeitar que investimos o nosso tempo e dinheiro”, disse.

David Neeleman considerou também que a assinatura do acordo é uma “grande responsabilidade” e acreditar que pode ajudar.

Em declarações aos jornalistas, também no final da assinatura do acordo, a secretária de Estado do Tesouro, Isabel Castelo Branco, explicou que a assinatura do acordo foi demorada devido ao facto de serem muitos os documentos que tiveram de ser revistos.

“A concretização do acordo de conclusão permite a entrada imediata de novos fundos na empresa, assegurando a estabilidade económico-financeira do grupo TAP”, refere o comunicado divulgado pela Parpública na terça-feira.

No âmbito do acordo assinado está prevista a injecção de 150 milhões de euros de imediato na TAP, que, segundo o actual presidente do Conselho de Administração, Fernando Pinto, vão permitir fazer face a necessidades imediatas da empresa.

O consórcio ainda tem que provar ao regulador que o empresário Humberto Pedrosa lidera o consórcio e obter luz verde do Tribunal de Contas.

A 13 de Outubro, a Autoridade Nacional da Aviação Civil (ANAC) deu parecer positivo à venda da TAP ao consórcio Gateway, mas pediu esclarecimentos sobre a estrutura accionista do consórcio comprador, para verificar se ela é controlada pelo português Humberto Pedrosa, como as regras europeias impõem. (jornaldenegocios.pt)

por Lusa

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA