Novos dados sobre a tragédia em França

REUTERS
REUTERS
REUTERS

A investigação em torno dos atentados em Paris teve desenvolvimentos e não só em território francês. Entre falsos rumores e factos reais, a RFI traz novos dados sobre os acontecimentos.

Desde os atentados que aconteceram sexta-feira à noite, muitas hipóteses aparecem e falsas notícias têm sido espalhadas.

Neste momento podemos afirmar três factos concretos:

Em França, um passaporte sírio foi descoberto perto do cadáver de um dos terroristas que fez um ataque suicida perto do Stade de France onde decorria o encontro de carácter amigável entre a França e a Alemanha.

O passaporte sírio pertence a um homem que foi registado na Grécia como migrante no passado mês de Outubro.

“O detentor do passaporte atravessou a ilha de Leros a 3 de Outubro onde foi identificado como é pedido pela regulamentação europeia”, declarou Nikos Toskas, vice-ministro grego encarregado da polícia.

No entanto não se sabe se o passaporte foi controlado noutros países antes de chegar a França. As informações da polícia grega, indicam que o proprietário do passaporte era um jovem que chegou a Leros com um grupo de 69 refugiados e onde as impressões digitais foram recolhidas pelas autoridades naquela altura. A polícia não quis comunicar o nome.

As autoridades francesas pediram a outros países europeus, incluindo a Grécia, de proceder a pesquisas sobre esse dito passaporte.

Na Bélgica, a polícia local efectuou várias detenções na sequência de operações policiais no bairro de Molenbeek, em Bruxelas, na capital do país, afirmou Koen Geens, porta-voz do ministro da Justiça.

Aliás a televisão pública belga RTBF avançava com a informação de que três buscas tinham sido realizadas em Molenbeek.

De notar igualmente que o jornal francês Le Monde noticiou que está a ser procurada uma «segunda equipa» de autores dos ataques de Paris, que terão conseguido escapar.

Por fim, e novamente em França, um dos terroristas que estiveram na sala de concertos, Le Bataclan, era francês, tinha 30 anos e era conhecido dos serviços franceses. (rfi.fr)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA