Namibe: Angolanos devem continuar a lutar para garantir a independência económica- Rui Falcão

Governador Rui Falcão durante o acto (Foto: (Osvaldo Serafim)
Governador Rui Falcão durante o acto (Foto: (Osvaldo Serafim)
Governador Rui Falcão durante o acto (Foto: (Osvaldo Serafim)

O governador do Namibe, Rui Falcão, disse hoje que os angolanos devem continuar a lutar unidos para garantir a independência económica.

Ao intervir no acto, que a nível da província, marcou o ponto mais alto das celebrações do 40º aniversário da independência nacional, o governante referiu que esta é uma condição para se alcançar o desenvolvimento desejado do país.

“ Sabemos que isso não agrada aos mais poderosos que dando corpo à continuidade da sua política cínica em relação ao terceiro mundo, se sentem incomodados com o nosso crescimento e, por isso, de forma reiterada continuam a procurar formas de pôr-nos uns contra os outros para, com isso deixarmos de fazer o que é essencial”, observou.

Por isso, afirmou que os governantes estão obrigados a agir nos termos impostos pela Constituição da Republica, a cumprir a Lei, a criar soluções e metas mediante a criação antecipada de estratégias perfeitamente definidas e a respeitar o erário que é de todos como algo sagrado, nos termos do juramento a que se obrigam aquando da sua tomada de posse na função em que são investidos.

Noutra parte da sua intervenção, Rui Falcão disse que com a conquista da independência nacional, a 11 de Novembro de 1975, e o alcance da paz, em 2002, novos horizontes se abriram na República de Angola, dando assim início ao processo de reconstrução nacional.

O governador do Namibe cingiu-se também ao percurso que o país teve o que permitiu a construção de milhares de salas de aula para todos os níveis de ensino, a criação de dezenas de milhares de novos empregos e melhores condições para as crianças e jovens para que pudessem estudar mais e melhor.

Recordou que milhares de postos médicos, centenas de centros de saúde e dezenas de hospitais de primeira e segunda linha também foram construídos, melhorando a oferta de serviços de saúde, na medida do possível a todo o povo angolano.

“ Este esforço continuado no domínio da educação e da saúde tem alcançado resultados bastante positivos e já reconhecidos por diferentes organizações internacionais que lidam com as questões do desenvolvimento humano. Ainda assim no domínio da água e da energia eléctrica são imensos os projectos já desenvolvidos. No que a energia diz respeito, muita coisa já foi feita e muita está em fase de construção um pouco por todo o pais”, enfatizou Rui Falcão.

O acto foi marcado com uma marcha cívica que contou com mais de dez mil funcionários públicos, efectivos dos vários órgãos das Forças Armadas Angolanas, antigos combatentes e veteranos da pátria e população em geral. (portalangop.co.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA