Mutilação genital feminina é proibida na Gâmbia

(AFP)
(AFP)
(AFP)

O presidente da Gâmbia, Yahya Jammeh, decretou a proibição da mutilação genital, com efeito imediato, observando que esta prática generalizada no país não foi ditada pelo Islão e deve, portanto, ser abolida – anunciou nesta terça-feira o ministro da Informação.

O presidente Jammeh “declarou há alguns minutos que a mutilação sexual feminina (excisão) está proibida com efeito imediato”, escreveu o ministro Sherrif Bojang em sua página no Facebook.

“O presidente fez a declaração durante uma reunião em Kanilai”, sua região natal, sob os aplausos das mulheres na plateia, contou o ministro, entrevistado pela AFP.

A medida visa a “protecção das meninas”, garantiu Bojang, ressaltando que o chefe de estado tomou a decisão pela ausência de justificativa religiosa desta prática no Islão.

Jammeh alertou que os pais e as autoridades locais que não respeitarem a interdição sofrerão sanções.

Segundo os comentaristas, as penas devem ser alinhadas àquelas previstas pela lei em casos de lesão intencional.

O quotidiano britânico The Guardian, que lançou em 2014 uma campanha mundial contra a mutilação genital em cooperação com o Fundo das Nações Unidas para a População (FNUAP) e um prémio de reportagens sobre a excisão na África em 2015, citou nesta terça-feira a reacção entusiasta de uma militante pelo fim desta prática na Gâmbia.

“Estou realmente impressionada que o presidente tenha feito isso. Não esperava por essa medida nem em um milhão de anos”, declarou Jaha Dukureh ao jornal, dizendo-se “orgulhosa de seu país”.

Segundo o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), a Gâmbia é um dos dez países, todos africanos, onde a mutilação genital é mais praticada, atingindo cerca de três quartos da população feminina.

Alçado ao poder através de um golpe de estado sem derramamento de sangue em 1994 e constantemente re- eleito desde 1996, Yahya Jammeh conduz com mão de ferro a Gâmbia, um pequeno país anglófono do Oeste Africano encravado no território do Senegal, para além da sua costa atlântica. (afp.com)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA