Minars giza políticas para acudir os mais vulneráveis

joão Baptista Kussumua - Ministro da Assistência e Reinserção Social (Foto: Francisco Miudo)
joão Baptista Kussumua - Ministro da Assistência e Reinserção Social (Foto: Francisco Miudo)
joão Baptista Kussumua – Ministro da Assistência e Reinserção Social (Foto: Francisco Miudo)

O ministro da Assistência e Reinserção Social, João Baptista Kussumua, disse em Luanda, que o executivo tem dado respostas adequada em relação as populações mais vulneráveis, dentre as quais se destacam as crianças, os idosos e as pessoas com deficiência, no sentido de se garantir a sua protecção contra o abandono e o abuso.

Em entrevista ao Jornal de Angola, o governante disse que trabalham também para promover a melhoria da sua qualidade de vida, incluindo a prevenção de disfunções sociais, a eliminação de barreiras e desigualdades e a actuação em situações de crise ou de emergência.

“Como é do vosso conhecimento o Ministério da Assistência e Reinserção Social é o Órgão do Executivo encarregue de conceber, propor e executar a política social relativa a estes grupos mais vulneráveis da população”, realçou.

Acrescentou que com estas acções procuram garantir os seus direitos e a promoção do seu desenvolvimento integral, através da implementação de políticas sociais básicas de Assistência e Reinserção Social.

Referiu que quanto à assistência e à reinserção social o sector tem vindo a reformular o seu modelo de intervenção, passando gradualmente de uma perspectiva assistencial e de emergência, para um paradigma de promoção e desenvolvimento das populações.

“Neste sentido, a intervenção actual que vimos levando a cabo, procura conjugar a perspectiva da assistência (sempre que as circunstâncias assim o exijam: secas, cheias, sinistros) com a perspectiva da promoção e do desenvolvimento”, frisou.

Para o efeito, se destacam a existência de um conjunto de programas e projectos voltados para a dimensão da reinserção sócio-económica e profissional dos grupos vulneráveis, com foco no empreendedorismo e de maneira sustentável. (portalangop.co.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA