Militares sensibilizados sobre consequências das doenças sexualmente transmissíveis

Militares sensibilizados sobre doenças sexualmente transmissíveis (arquivo) (Foto: Diniz Simão)
Militares sensibilizados sobre doenças sexualmente transmissíveis (arquivo) (Foto: Diniz Simão)
Militares sensibilizados sobre doenças sexualmente transmissíveis (arquivo) (Foto: Diniz Simão)

Um programa de sensibilização junto de efectivos das Forças Armadas Angolanas e ex- combatentes sobre a prevenção das doenças sexualmente transmissíveis, tuberculose e combate ao uso abusivo de bebidas alcoólicas está ser levada a cabo pelo Clube dos Combatentes da Batalha do Cuito Cunavale.

Esta informação foi prestada hoje, sexta-feira, pelo vice presidente do Clube, Justino Morais Damião, referindo que a acção é de âmbito nacional e está inserida na jornada comemorativa do 40º aniversário da proclamação da independência nacional assinalado a 11 de Novembro do ano em curso.

De acordo com o responsável, este programa visa essencialmente chamar a atenção dos efectivos das forças armadas e ex – combatentes sobre o perigo da pratica de relações sexuais desprotegidas, assim como para evitar outros males associados ao uso abusivo de bebidas alcoólicas.

Na óptica de Justino Morais Damião, as relações sexuais desprotegidas constituem a principal via para contrair o vih/sida, e doenças associadas a esta pandemia, enquanto que o alcoolismo é a causadora da violência doméstica.

O Clube dos Antigos Combatentes do Cuito Cuanavale congrega todos os heróis das batalhas em Angola, tais como os que combateram contra as invasões de tropas estrangeiras, e prestará ajuda voluntária na localização dos campos de minas.

A organização pauta-se pelos princípios de democraticidade, unidade e a independência.

Com o fito de cumprir com os objectivos preconizados, o clube presta apoio jurídico aos seus associados nas questões resultantes da sua actividade associativa e profissional, representa e defende os associados, bem como os seus dependentes e familiares junto dos órgãos de soberania e outras entidades públicas, veiculando os seus legítimos anseios. (portalangop.co.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA