Manifestações no mundo exigindo acordo sobre o clima em Paris

Activistas em Manila, nas Filipinas durante manifestação de 25 de novembro reclamando medidas concretas sobre o clima da COP-21 que começa segunda-feira em Paris. (Reuters/Erik De Castro)
Activistas em Manila, nas Filipinas durante manifestação de 25 de novembro reclamando medidas concretas sobre o clima da COP-21 que começa segunda-feira em Paris. (Reuters/Erik De Castro)
Activistas em Manila, nas Filipinas durante manifestação de 25 de novembro reclamando medidas concretas sobre o clima da COP-21 que começa segunda-feira em Paris.
(Reuters/Erik De Castro)

Manifestações em várias capitais mundiais exigindo um acordo durante a conferência sobre o clima que arranca na segunda-feira em Paris, enquanto o chefe da diplomacia francesa, reúne já amanhã os delegados, reafirmando a sua convicção de que haverá acordo.

 Um pouco por todo o mundo, houve manifestações este sábado, 28 de novembro, reclamando um acordo à altura sobre alterações climáticas, durante a COP-21, essa conferência mundial sobre o clima, que começa na segunda-feira em Paris.

Houve manfestações em Melbourne, na Áustrália, exigindo um acordo enquanto em Manila, nas Filipinas manifestantes reclamavam uma redução das emissões de gás na origiem do efeito de estufa.

“Queremos enviar uma mensagem forte aos dirigentes do mundo, que vão reunir-se em Paris, na conferência internacional sobre o Clima, dizendo-lhes que a nossa sobrevivência não é negociável”, afirmou Denise Fontanilla, porta-voz do Movimento dos Povos Asiáticos sobre a dívida e o desenvolvimento.

Em Bangladesh, foram 5.000 pessoas a reclamar acções concretas e menos palavras.

Durante o dia são milhares de outros manifestantes activos em várias capitais do mundo, como Rio de Janeiro, Madrid, Seul, Londres, ou Nova Iorque, com o mesmo propósito.

Por cá em França, recorda-se, que com o estado de emergência decretado pelo Presidente francês, François  Hollande, após os atentados terroristas de 13 de novembro, não há direito a manifestações, mas há pequenos grupos isolados que querem fazer alguma marcha silenciosa em Paris.

Isto quando chegava à capital francesa, todo um movimento  de centenas de pessoas religiosas de todas as confissões, católicas, muçulmanas, budistas, hindus ou protestantes que reclamaram este sábado, em S. Denis, um dos palcos dos atentados terroristas, aos dirigentes acção por uma justiça climática.

Enfim, o chefe  da diplomacia francesa, Laurent Fabius, já declarou estar convicto de que sairá um acordo consensual desta conferência, que começa na segunda-feira e termina a 12 de dezembro, tendo marcado uma reunião de sensibilização dos delegados já, amanhã, 29 de novembro.

Paris, recebe, pois, mais de 150 chefes de estado e de governo e suas delegações ministeriais, organizações internacionais, ONG’S e sociedade civil, à procura de um acordo global sobre o clima, depois de ter vivido uma autêntica tragédia, com os atentados terroristas de 13 de novembro que fizeram 130 mortos e centenas de feridos. (rfi.fr)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA