Mali: Reuters adianta que 136 pessoas continuam reféns (em atualização)

(Euronews)
(Euronews)
(Euronews)

As forças especiais de segurança do Mali lançaram uma operação para libertar as pessoas feitas reféns no hotel Radisson Blu, em Bamako, no Mali. Segundo a agência de notícias Reuters haverá ainda 124 clientes e 12 funcionários do hotel reféns.

Haverá, pelo menos, 3 mortos segundo o “Le Monde”, citando fonte do ministério da segurança do Mali, e vários feridos.

Foi às 7h da manhã, desta sexta-feira, que homens armados atacaram o hotel Radisson Blu, em Bamako, a capital do Mali. Mais de 170 pessoas foram feitas reféns (140 clientes e 30 funcionários), entre elas estrangeiros, maioritariamente franceses.

Doze funcionários da Air France estavam no local mas, segundo a companhia aérea, foram já libertados e estão bem.

Segundo a agência de notícias turca Anadolu havia cinco trabalhadores da Turkish Airlines no hotel, entre eles dois pilotos, que terão sido já libertados. O primeiro-ministro turco já confirmou a informação.

Delegados da Organização Internacional da Francofonia também estão entre os reféns adiantam fontes de segurança citadas pela agência espanhola EFE.

A agência Xinhua acrescenta a existência de chineses entre os reféns. “Um hóspede chinês de apelido Chen disse à Xinhua, via a aplicação móve WeChat, que estava entre vários hóspedes chineses presos no hotel”, escreveu a agência, numa breve nota.

Os sequestradores, pelo menos dois, foram libertando reféns, incluindo os capazes de recitar partes do Corão.

Durante o ataque entoaram gritos islâmicos incluindo “Allah Akbar” (“Deus é grande”).

Ao contrário do que dissemos os atacantes não chegaram ao hotel num veículo com matrícula do corpo diplomático. O “Le Monde” adianta agora, e cita o ministério da segurança maliano, que eles entraram ao mesmo tempo que uma viatura com matrícula diplomática e terão aberto fogo sobre a mesma.  (euronews.com)

 

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA