Lula sob suspeita da agência de combate à lavagem de dinheiro

(jornaldenegocios.pt)
(jornaldenegocios.pt)
(jornaldenegocios.pt)

O relatório da agência pública que combate a lavagem de dinheiro no Brasil terá detectado indícios de irregularidades em transacções avultadas feitas por Lula da Silva, ex-presidente do país, escreve a revista Época.

Um relatório da agência do Governo brasileiro que combate a lavagem de dinheiro (Conselho de Controle de Actividades Financeiras – COAF) terá detectado vários indícios de irregularidades em transacções financeiras de Lula da Silva, ex-presidente do país, bem como de outros três próximos do ex-presidente e do Partido dos Trabalhadores (PT): Antonio Palocci, ex-ministro das Finanças; Erenice Guerra, ex-chefe da Casa Civil de Lula e braço-direito de Dilma Rousseff; e Fernando Pimentel, ex-ministro Dilma e hoje governador do Estado de Minas Gerais

A informação foi divulgada neste fim-de-semana pela Revista Época, que teve acesso ao documento encaminhado pela agência tutelada pelo Ministério das Finanças à comissão parlamentar de inquérito (CPI) que está a investigar desvios e empréstimos ilícitos realizados pelo BNDES. Nessa comissão de inquérito estão a ser averiguadas suspeitas de que líderes do PT tenham enriquecido com operações de financiamento do banco público de investimento, sobretudo as que beneficiaram as empreiteiras envolvidas no esquema de fraudes da Petrobras.

Segundo a publicação, o relatório detectou movimentações incompatíveis com os rendimentos declarados pelos quatro ex-governantes.

Uma das operações suspeitas de Lula envolve a Fundação com o seu nome que, em quatro anos, recebeu 27 milhões de reais (6,4 milhões de euros) por palestras que terão sido realizadas pelo ex-presidente. Segundo a revista, a assessoria do Instituto Lula não respondeu às questões e os advogados da família disseram que só falariam depois de ter acesso aos documentos.

Em relação a Palocci, o relatório teria comunicado 11 operações de depósitos para a sua empresa Projeto Consultoria — num total de 216 milhões de reais (51 milhões de euros). O advogado deste limitou-se a dizer à Época que não há relação entre os serviços prestados pela Projeto e a aprovação de medidas enquanto foi ministro, designadamente na tributação do sector automóvel — situação que está a ser investigada pela Operação Zelotes.

Em relação a Erenice Guerra, o COAF detectou operações suspeitas no valor de 26,3 milhões de reais entre 2008 e 2015. A antiga braço direito de Dilma na área da Energia que renunciou ao cargo de presidente da Casa Civil na recta final do segundo mandato de Lula em 2010 devido a denúncias de corrupção, num processo arquivado dois anos depois por insuficiência de provas, não quis prestar declarações à revista.

Ao COAF cabe relatar movimentações financeiras suspeitas de acordo com a lei e regras do mercado, como saques de dinheiro vivo na ou depósitos de elevadas quantias sem explicação aparente. A agência de combate ao branqueamento de capitais recebe essas informações directamente dos bancos e de corretoras, que são obrigados a alertar o órgão de controle sobre operações “atípicas” envolvendo seus clientes. O COAF não define se as operações são ou não ilegais. Isso depende de investigação do Ministério Público e da Polícia Federal. (jornaldenegocios.pt)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA