‘Levy fica onde está’, diz Dilma na Turquia

A presidente defendeu também a aprovação da nova CPMF (Foto: Roberto Stuckert)
A presidente defendeu também a aprovação da nova CPMF (Foto: Roberto Stuckert)
A presidente defendeu também a aprovação da nova CPMF (Foto: Roberto Stuckert)

A presidente Dilma Rousseff afirmou nesta segunda-feira (16) que o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, continuará no cargo. Em entrevista após participar da Cúpula do G20, na Turquia, Dilma disse que, apesar de ter enorme respeito pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, discorda das críticas dele ao ministro. As informações são da Agência Brasil.

“Ele [Levy] é um grande servidor público, que tem compromisso com a estabilidade do país. Acho nocivas as especulações [sobre a saída do ministro do cargo], pois me obrigam a vir a público dizer que ele fica onde está.”

A presidente defendeu também a aprovação da nova CPMF (Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira) pelo Congresso Nacional. “Fizemos grande esforço de reequilíbrio fiscal. Agora vai requerer de nós, além da redução de despesas, a consciência, a responsabilidade para aprovar a CPMF. Vamos ter que discutir com a sociedade brasileira, pois [a volta da CPM] é fundamental para sair da crise. Eu acredito que o Brasil vai ter de enfrentar este fato. É fundamental que se aprove”, afirmou.

Terrorismo

Na entrevista, Dilma também falou sobre os atentados terroristas em Paris. “O terrorismo deve ser combatido por todos os países do G20. É a anticivilização, é contra valores morais”.

A presidente defendeu que o Congresso brasileiro aprove a Lei Antiterrorismo, embora o país não esteja no centro da questão. O texto tramita no Senado.

Dilma afirmou que os outros representantes do G20 não demostraram grande preocupação com a segurança nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro 2016, mas que não se deve tratar o Brasil como “totalmente protegido e afastado” do terrorismo.

A presidente disse ainda que o terrorismo tem diversas causas, como a xenofobia e o preconceito. “Não podemos ligar o terrorismo a uma religião. Ninguém pode tachar qualquer religião de ser patrocinadora de terrorismo. Na história, poucas [religiões] não tiveram atitudes violentas e de perseguição.”

Desastre em Mariana

Ao comentar a tragédia em Mariana, a presidente afirmou que o objetivo inicial é dar assistência às pessoas afetadas pelo rompimento de duas barragens de rejeitos da mineradora Samarco no distrito de Bento Rodrigues, no dia 5 deste mês.

Segundo Dilma, nesta terça (17) haverá uma reunião com um grupo de gestão criado para propor ações de reconstrução e recuperação tanto da bacia quanto dos afluentes do Rio Doce, atingido pelo rio de lama com rejeitos de mineração. O grupo tem participação de diversos setores, entre eles ministros, representantes dos governos locais e do Ministério Público. “Não vai ser resolvida [a recuperação do rio] em um, nem dois, nem três anos”, disse ela.

Mudanças climáticas

Em relação às mudanças climáticas, Dilma afirmou que o desafio é encontrar um entendimento entre países em diferentes estágios de desenvolvimento, mas reiterou que o Brasil tem uma posição clara e objetiva dos objetivos até 2030. “São necessários o financiamento e a transferência de tecnologias para se viabilizar a adoção de ações de mitigação”.

A presidenta embarcou às 12h30 para o Brasil e deve chegar a Brasília por volta da meia-noite. (diariodolitoral.com.br)

por Folhapress

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA