Julgamento dos acusados de actos preparatórios de rebelião entra na terceira semana

justiça (DR)
justiça (DR)
justiça (DR)

Os interrogatórios no quadro do julgamento dos 17 arguidos acusados de Actos Preparatórios de Rebelião, na 14ª sessão dos Crimes Comuns do Tribunal Provincial de Luanda, entra na terceira semana com o prosseguimento, esta segunda-feira, das audições ao réu Banza Hanza, que está a ser ouvido desde sexta-feira.

Apesar de verificar-se uma postura do arguido de não responder à maioria das questões, sobretudo quando provenientes do Ministério Público, dos 17 este apenas é o quinto a ser ouvido, uma vez as partes (defesa) e (Ministério Público) têm tentado esmiuçar todas as questões em busca da verdade material.

Para contrapor a técnica do silêncio usada pelos réus que, por ser quase unânime demonstra concertação, o Ministério Público, que acusa, tem tentado provocar, primeiro os arguidos, para com os advogados de defesa gerar o debate no sentido da busca da verdade material, com a exibição de vídeos, cartas e de outras provas que estão arroladas no processo, mas que a defesa questiona a sua validade, enquanto modo de aquisição dos mesmos.

Até agora, o Tribunal ouviu já os principais líderes do movimento, Domingos da Cruz e Nuno Dala, que permitiu também verificar as desconfianças entre ambos geradas pelo processo de detenção pelas autoridades.

No quadro deste julgamento, as alegações finais estavam previstas para o dia 20 de Novembro, mas até ao momento, além dos já citados, apenas foram ouvidos mais os réus Nito Alves e Hitler Tchikunde. (portalangop.co.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA