Itália: Embaixador reitera apoio a comunidade angolana

Florêncio de Almeida, Embaixador de Angola acreditado na Itália (Foto: Angop/Arq)
 Florêncio de Almeida, Embaixador de Angola acreditado na Itália (Foto: Angop/Arq)

Florêncio de Almeida, Embaixador de Angola acreditado na Itália (Foto: Angop/Arq)

O embaixador de Angola na Itália, Florêncio de Almeida, reiterou domingo, na cidade de Bolonha, o apoio à integração no mercado de emprego angolano e italiano de quadros angolanos formandos neste país europeu.

Falando num convívio com a comunidade angolana na Itália para assinalar o 40 aniversário da independência, o diplomata angolano acrescentou que a embaixada está a dialogar com várias instituições angolanas e italianas.

Florêncio de Almeida defendeu o diálogo sincero e construtivo para a resolução dos inúmeros problemas que afligem a comunidade na Itália, avaliada em cerca de 4 mil angolanos.

“Os últimos encontros de aproximação entre a embaixada e as comunidades de angolanos residentes na Itália, incluindo a estudantil e religiosa, permitiram aferir as suas preocupações, das quais destacamos as dificuldades de custear os estudos e a sua inserção na sociedade italiana”, acrescentou.

Nesse âmbito, disse estar a trabalhar, com o apoio de várias instituições no país, no sentido de se ultrapassarem algumas dificuldades, principalmente no que tange ao envio de dinheiro para estudantes sem bolsa de estudo, devido à crise que o país vive.

Disse também que a embaixada acolheu com agrado a proposta de associações de entabular negociações com o Governo italiano, visando um acordo que permita aos pensionistas angolanos receberem as suas pensões em Angola, à semelhança do que sucede com cidadãos de outros países africanos residentes na Itália.

Na sua intervenção, o embaixador angolano agradeceu o Fórum das Associações de Angolanos na Itália (FAAI) que, na sua qualidade de interlocutor privilegiado da embaixada, tem sabido exercer, com zelo, o seu papel de aglutinador da comunidade, aproximando-os cada vez mais da missão diplomática.

“Registamos com satisfação a participação e a ajuda prestada pela nossa comunidade, através do FAAI, nos vários eventos da Expo, em Milão, bem como a organização do primeiro concurso Miss Angola/Itália”, acrescentou.

Sobre a importância da independência, afirmou que se celebra com orgulho os resultados dos 40 anos de independência, sobretudo devido a consolidação da paz, conquistada há 13 anos, a gradual recuperação do tecido social e das infra-estruturas básicas e o aperfeiçoamento do processo democrático em curso no país, o que tem permitido a liberdade de movimento de pessoas e bens, em total segurança, em todo o espaço nacional.

Nesses 13 anos de Paz, sublinhou, o número de pessoas subnutridas reduziu de 6,8 milhões para 3,2 milhões, o que permitiu com que Angola recebesse o diploma de mérito da FAO, por ter alcançado as metas do Milénio e da Cimeira Mundial da Alimentação.

“Como fruto da Paz, há também um maior de crianças com acesso à escola e de jovens a frequentarem diversas universidades”, adiantou.

No capítulo da cooperação, informou que muitos acordos bilaterais entre Angola e a Itália foram assinados e a relação entre os dois países tem hoje em dia uma natureza estratégica e assenta numa base de amizade e confiança.

Acrescentou que as visitas recíprocas do primeiro-ministro italiano Matteo Renzi a Angola, em 2012, e do Presidente José Eduardo dos Santos à Itália, em Julho deste ano, testemunham o bom nível de amizade entre os dois Estados e povos.

o embaixador apelou a comunidade a participar, no próximo ano, activamente na comemoração dos 40 anos sobre a data do estabelecimento de relações diplomáticas e de cooperação institucional com a Itália, que foi o primeiro país da Europa ocidental a reconhecer a independência de Angola.

O convívio com a comunidade marcou o fim das jornadas de comemoração dos 40 anos de independência, que incluiu palestras sobre a importância da efeméride, campeonato de futebol e uma gala realizada no dia 12 com a exibição de grupos culturais e apresentação da gastronomia angolana. (portalangop.co.ao)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA